carregando
F1

Ecclestone engrossa coro, critica pneus “impróprios” da Pirelli e clama por mudanças

Na esteira do amplo debate a respeito do desgaste dos pneus neste começo de temporada, Bernie Ecclestone criticou os compostos “impróprios” construídos pela Pirelli e bradou contra a fornecedora italiana: “Não era o que tínhamos previsto quando pedimos a eles”

Warm Up / Redação GP, de Sumaré


O noticiário pós-GP da Espanha traz um amplo debate a respeito da influência cada vez maior dos pneus na F1. No último domingo (12), em Barcelona, 13 dos 19 pilotos que terminaram a corrida fizeram quatro pit-stops, um número considerado alto demais até mesmo para o principal dirigente da categoria, Bernie Ecclestone. O britânico engrossou o coro de críticas à Pirelli e classificou os pneus da fornecedora italiana como “impróprios” para a F1.

Bernie, por muito tempo, foi um defensor do trabalho da Pirelli e argumentava que a fornecedora de Milão trouxe de volta à F1 o que estava perdido há tempos: a imprevisibilidade das corridas e a emoção, consequentemente. Mas Ecclestone mudou de opinião depois dos problemas ao longo deste começo de Mundial, com o GP da Espanha representando a gota d’água.

Bernie Ecclestone também está insatisfeito com os rumos da F1 em 2013 (Foto: Getty Images)


“Os pneus são impróprios e não era o que tínhamos previsto quando pedimos à Pirelli para desenvolver algo que fizesse metade da corrida. A Pirelli sabe e está fazendo algo a respeito. Voltaremos ao tipo de pneus da temporada passada, que nos deu uma competição foi acirrada”, declarou o octogenário em entrevista ao diário britânico ‘Daily Express’ nesta terça-feira (14).

O brado de Bernie se une ao discurso crítico de Dietrich Mateschitz, dono da Red Bull, equipe que não vem lidando bem com os pneus neste princípio de Mundial. “A F1 já não consiste em correr. É uma competição de gestão de pneus. As corridas verdadeiras são diferentes. Levando em conta as circunstâncias atuais, não podemos obter o melhor do carro e nem dos pilotos.”

Por outro lado, Eric Boullier, chefe de equipe da Lotus, defendeu a Pirelli e, em outras palavras, enxerga as críticas por parte da Red Bull como choro de perdedor. “À Pirelli, foi pedido que criassem pneus que durassem 20 voltas e assim foi feito. Se nosso carro pode fazê-lo, as outras equipes devem trabalhar duro para isso”, declarou o francês.

Por outro lado, Paul Hembery garantiu que não vai ceder às pressões da Red Bull e disse que não dá para agradar a todos. “Se fizermos algo que ajude [a Red Bull], podemos entender que Lotus e Ferrari não ficarão contentes. Seremos condenados se fizermos e condenados se não fizermos”, concluiu.