Porsche

Albuquerque/Vitor Baptista reverte azar e vence em Interlagos. Hellmeister/Luca é campeã

O dia começou difícil para Filipe Albuquerque e Vitor Baptista, mas terminou da melhor maneira. Na Porsche Endurance Series, após a dupla perder um pneu ainda na volta de apresentação, conseguiu dar a volta por cima, reverter o azar e conquistar a vitória em Interlagos. Alan Hellmeister e Luca são campeões na 4.0, com Átila Abreu e Leo Sanchez levando o caneco na 3.8

Grande Prêmio / NATHALIA DE VIVO, de Interlagos
Quem viu a volta de apresentação da Porsche Endurance Series poderia não sonhar com o resultado final. Em Interlagos, após Filipe Albuquerque perder o pneu antes da largada, ao lado de Vitor Baptista fez grande corrida de recuperação e trouxe a vitória para a equipe Hero.

O Porsche #4 viu um enorme revés antes mesmo da saída ser autorizada neste sábado (29). O português acabou perdendo a borracha dianteira esquerda, precisando correr aos boxes para fazer a substituição. Com isso, acabou caindo para o final do pelotão e tinha que traçar estratégia.

Mas a dupla mostrou grande interação para conseguir ir escalando posição a posição até chegar na ponta. Em uma corrida de longa duração, conseguiram se manter nos primeiros postos por grande parte da disputa, sempre alcançando o ritmo dos adversários.

Ao final das 117 voltas, então, o #4 cruzou a linha de chegada na primeira colocação e reverteu o azar do início. Quem terminou em segundo foi Ricardo Zonta/Werner Neugebauer, com Gabriel Casagrande/Alceu Feldmann, Guilherme Salas/Pedrinho Aguiar e Alan Hellmeister/Lucafechando o pódio. Alan Hellmeister/Luca Seripieri sagraram-se campeões.
Vitor Baptista e Filipe Albuquerque (Foto: Cauê Moalli/Grande Prêmio)
Saiba como foi a corrida da Porsche Endurance Series em Interlagos:
 
Antes mesmo da largada, Filipe Albuquerque sofreu um forte revés. Quando vinha em sua volta de apresentação, o #4 da Hero acabou perdendo o pneu dianteiro esquerdo, obrigando a ir aos boxes. A dupla de Vitor Baptista ia lagar em nono.
 
Luzes apagadas em Interlagos e largada autorizada para a decisão da Porsche. Guerrieri conseguiu manter a primeira colocação, enquanto Ricardo Baptista era o segundo. Miguel Paludo sustentava o terceiro posto.
 
Enquanto as cinco primeiras posições se mantinham no pelotão, Rodolfo Toni subiu para sexto, com Guilherme Salas na sequência. Felipe Nasr teve a melhor saída do top-10, ganhando três postos e se colocando em oitavo. Luca caiu para nono, com Daniel Schneider fechando os dez primeiros.
 
Com o primeiro giro completado no autódromo paulista, o Porsche #444 já havia aberto um respiro de 0s327 para o segundo colocado. Enquanto isso, o #27 acabou passando reto na curva do laranja e perdeu posições, indo a 14º. Depois, se dirigiu aos boxes.
 
A corrida estava bastante disputada nos primeiros giros. Guerrieri se segurava na ponta, mas precisava lidar com a pressão que vinha encostando no ponteiro. JP Mauro vinha em terceiro, com Salas e Jimenez fechando o top-5.
 
Em um grande mergulho no final da reta, então, Salas conseguiu passar não só Miguel, como também Esteban para assumir o primeiro posto do pelotão. Quem também acabou escalando foi Jimenez, que pulou para quarto.
 
Enquanto a corrida rolava, Di Grassi se preparava para assumir o carro reserva da Porsche, já que o #27 nas mãos de Ricardo apresentou problema. A dupla estava na 30ª, e última, colocação.
 
Com 15 minutos de disputa concluídos, os dois pilotos que mais haviam conseguido posições no pelotão eram Jimenez, que largou em 14º e estava em segundo, e Renan Guerra, que saiu em 28º e era o 17º.
 
No giro de número 12, os pilotos começavam a ir aos boxes para a troca. Outro piloto que também pegou o carro reserva na área de apoio das garagens foi Werner Neugebauer.
 
Salas sustentava 4.869 de vantagem para Jimenez, o segundo. Enquanto isso, Sergio estava também 4s880 à frente de Guerrieri, que sustentava o terceiro posto. Nasr e JP Mauro fechavam o top-5.
 
Enquanto isso, na classe 3.8, quem ponteava o pelotão era Guerra, com Fernando Fortes aparecendo logo depois. Nelsinho Marcondes, Maurizio Billi e Marcio Mauro sendo os cinco mais velozes do momento.
 
Na volta 19, o Porsche #20, que estava na primeira colocação, foi aos boxes para aprimeira das cinco primeiras paradas obrigatórias. Então, quem assumiu a ponta provisoriamente foi o #29.
 
45 minutos rodados no relógio e a ordem observada na pista era Guerrieri, Nasr, Albuquerque, Adalberto Baptista, Maurizio Billi, Marcondes, Marcelo Hahn, Fortes, Raphael Miranda e Jimenez fechando o top-10.
 
A corrida marcou uma hora completada. Nasr sustentava o primeiro posto, com o piloto sustentando um respiro de duas voltas para o restante do pelotão e já completando 34 voltas e quase fechando suas voltas obrigatórias.
Vitor Baptist e Filipe Albuquerque (Foto: Cauê Moalli/Grande Prêmio)
Enquanto isso, Pedrinho, dupla de Salas, que liderou grande parte da primeira parte da disputa, vinha com o carro bastante lento na pista. Com isso, acabou indo aos boxes.
 
Quem também vinha apresentando dificuldades durante a corrida era Allgaier. O norte-americano companheiro de Paludo acabou caindo para o final do pelotão com quatro giros de defasagem. Restavam 82 voltas para a bandeira quadriculada.
 
A corrida vinha seguido sem grandes ocorrências e sem problemas. Alan Hellmeister surgiu na primeira colocação, enquanto Felipe Baptista vinha em segundo. Vitor Baptista era o terceiro, com Cacá Bueno e Fran Lara fechavam o top-5.
 
Enquanto isso, na classe 3.8, William Freire aparecia em oitavo na geral e primeiro da categoria. Gaetano di Mauro vinha em segundo, com Átila Abreu se colocando na terceira posição.
 
Em outro ponto da pista, Bruno Baptista estava com problemas. Com fumaça saindo de seu carro, o piloto se viu obrigado a deixar o #10, que estava no sétimo posto, na área de escape, abandonando a disputa.
 
Restando 62 voltas para a bandeira quadriculada, Fran Lara estava na ponteira da tabela. Cesar Ramos, mesmo com a rodada de Zeca Feffer no início, estava no segundo posto. Felipe Fraga, Felipe Baptista e Luca fechavam o top-5.
 
Então, um grande revés na ponta da prova: Adalberto Baptista acabou acertando a lateral do carro de Fraga, que estava na primeira colocação. Os dois acabaram rodando, com o #270 abandonando e o #10 indo aos boxes com danos.
 
Quem acabou levando a melhor de toda a situação foi Felipe Baptista, que voltou para a primeira colocação do pelotão. Filipe, em incrível corrida de recuperação, era o segundo, com Ricardo Maurício fechando o top-3.
 
Já na classe 3.8, Ramos surgia em nono na geral e liderando a categoria. Buzaid vinha colado no #99, com Marco Billi, Leo Sanchez e Nelsinho Marcondes completando os cinco mais velozes.
 
Maurício, com dois stints consecutivos, completou 53 voltas, cumprindo o número de giros obrigatórios. Líder da corrida com 18s de vantagem, entregou o carro nas mãos de Eduardo Azevedo.
 
A direção de prova, então, indicou a punição que tomou Marcelo Hahn, que acabou causando um incidente mais cedo com Nelsinho Marcondes. O #16 teria que passar nos boxes pagar um drive-through.
 
Os pilotos já haviam completado 75 ds 117 voltas previstas da corrida. Lara seguia como o primeiro colocado, uma volta à frente de Guerrieri. Vitor Baptista era o terceiro, com Hellmeister e Bueno completavam o cinco primeiros. Nesse momento, o #3 estava nos boxes.
 
Surpreendente, mesmo com o sol feito durante todo o dia, quando a corrida começava a entrar na reta final, as primeiras gotas começavam a cair em Interlagos. Com a chuva marcando presença, os primeiros pilotos já ligavam o limpador do para-brisa.
 
Outra dupla que teve problemas e precisou recorrer ao Porsche reserva foi o #33, com Nelsinho Piquet comandando na pista com 36 voltas para o final.
 
Vitor Baptista vinha cumprindo sua quarta parada com 2h40 de corrida completadas. Enquanto isso, a transmissão mostrava uma grande derrapada protagonizada por Allgaier, que conseguiu controlar o carro.
 
Vitor Baptista, Felipe Nasr, Carlos Ambrósio e Cacá Bueno, os quatro primeiros, respectivamente, estavam na área de box para mais uma parada.
 
Mais para trás no pelotão, o #7 vinha na 14ª colocação e com o #444 colado na sua traseira – era retardatário. Comandado por Felipe Baptista, que estava com o carro reserva, o piloto acabou sofrendo uma forte saída da pista, mas conseguiu controlar. A chuva começava a mudar o cenário.
 
Felipe, que era o 23º, vinha tentando conseguir terreno no pelotão, mas vinha fazendo muito contato. O piloto acabou encostando no #1, em sexto, guiado por Ricardo Zonta. 
 
Já haviam sido completadas 88 voltas no autódromo paulista. Luca estava na pista e sustentava o sexto posto. Enquanto isso, Átila estava uma posição à frente, em quinto. Com isso, ambos conseguiam trazer os títulos para suas duplas.
 
Quando se aproximava do final, um novo acidente foi visto na corrida. Eduardo Azevedo, companheiro de Maurício, e Daniel Schneider, colega de Nelsinho Piquet, acabaram se tocando na pista.

A ordem na pista com 3h15 completadas era Allgaier, Dennis Dirani, Nelson Piquet, Vitor Baptista, Zonta, Gabriel Casagrande, Salas, Ramos, Hellmeister e Cacá Bueno fechando o rol dos dez primeiros.
 
A chuva começou com sol, ficou encoberto, choveu e nas últimas 17 voltas, o ‘astro rei’ voltou a brilhar em Interlagos, fechando a temporada 2019 da Porsche Endurance Series.
 
3h30 de corrida completada e a prova estava nos seus últimos giros. Era Vitor Baptista quem ainda seguia na primeira colocação, com Zonta, Casagrande, Salas e Hellmeister fechando o pódio do dia.
 
Na classe 3.8, quem vinha puxando a fila era Átila, seguido por Marco Billi, Freire, Paulo Totato e Feffer fechando o top-5.

Bandeira quadriculada e a vitória ficou com Vitor e Filipe, que reverteram o azar do início em grande estilo. Zonta/Neugebauer foi a segunda dupla, com Casagrande/Feldmann, Hellmeister/Luca e Salas/Aguiarfechando o pódio.


 

Paddockast # 44
RETROSPECTIVA 2019: MUITO QUE BEM, MUITO QUE MAL


Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.