Nascar

Kyle Busch segura ímpeto de Jones no fim e garante vitória absoluta na etapa de Phoenix da Xfinity

Kyle Busch, especialista na Xfinity, conquistou a terceira vitória seguida no certame. Desta vez, o #18 precisou frear a reação de Erik Jones, que fez uma bela prova e acabou em segundo

Warm Up / VITOR FAZIO, de Porto Alegre
Depois de correr tranquilo durante a maior parte da etapa de Phoenix da Xfinity, disputada neste sábado (12), Kyle Busch precisou lidar com Erik Jones, uma ameaça crescente no final. E tirou de letra: depois de uma bela disputa com o companheiro, o campeão da Nascar conseguiu abrir uma vantagem crucial e partiu para mais uma vitória no certame.
 
Trata-se da terceira vitória seguida de Kyle Busch na Xfinity, categoria que o #18 aprendeu a dominar ao longo dos anos. Apesar de não poder somar pontos na categoria, Kyle consegue, prova após prova, colocar seu nome na história da segunda divisão da Nascar.
Kyle Busch deu show em Phoenix. Outra vez (Foto: Getty Images)
Jones, apesar da pouca idade e falta de experiência, pilotou como um veterano: na crescente ao longo da segunda metade da prova, o #20 forçou Kyle a entrar em um combate truncado pela ponta. Erik só não tomou a ponta por detalhes. Na sequência, durante um pit, perdeu muito tempo em relação ao líder e não pôde se recuperar.
 
Daniel Suárez, menos brilhante que os dois primeiros, cruzou a linha de chegada em terceiro e manteve a liderança no campeonato. Justin Allgaier e Chase Elliott acabaram em quarto e quinto, respectivamente.

Saiba como foi a etapa de Phoenix da Xfinity
 
Apenas meia volta foi necessária para que a primeira bandeira amarela da prova fosse acionada. Já na saída da curva 2, David Starr foi tocado e rodou, forçando a intervenção.
 
Sob bandeira amarela, o pole Erik Jones ainda liderava. Kyle Busch, Daniel Suárez, Ty Dillon e Chase Elliott fechavam o top-5. Isso até a relargada, quando Kyle superou Erik e tomou a liderança.
 
Com 15 voltas completas, o top-5 se consolidava com Kyle Busch, Jones, Suárez, Keselowski e Ty Dillon. As poucas distâncias entre pilotos, todavia, mantinham viva a chance de mais ultrapassagens.
 
Mas não tardou para que isso mudasse. Os carros da Joe Gibbs Racing pareciam estar em outro nível e logo começaram a abrir sobre Elliott, quarto colocado depois de ultrapassar ambos Keselowski e Ty Dillon.
 
Entre os carros da Joe Gibbs, todavia, a diferença seguia pequena. Suárez passou Jones, seguindo 0s6 atrás de Kyle Busch e 0s5 na frente de Erik.
 
O ciclo sob bandeira verde acabou na volta 57, quando Jeremy Clements causou um incidente e exigiu a segunda amarela da prova. Todos pilotos vieram aos boxes, com algumas surpresas na saída. Kyle Busch e Suárez seguiam formando o 1-2, mas Justin Allgaier havia saltado para terceiro. O #7 tirou proveito de um pit ruim de Jones, agora quarto.
A largada para a Xfinity em Phoenix (Foto: Nascar)
Mas Jones deu o troco já na relargada, na volta 68. O #20 partiu bem, passando tanto Allgaier quanto Suárez e ficando em segundo. Austin Dillon fechava o top-5, depois de passar Ty.
 
Os irmãos Dillon protagonizaram uma bela disputa pelo último posto do top-5. Depois de resistir por alguns giros, Ty assumiu o quinto lugar.
 
A terceira bandeira amarela veio na volta 93, após um toque de JJ Yeley com o muro. Como o último pit havia sido muito recente, algumas equipes se deram o luxo de trocar apenas dois pneus. Ty Dillon, por exemplo, assumiu a liderança por causa disso, com Allgaier, Austin Dillon, Chase Elliott e Elliott Sadler atrás – todos na mesma estratégia alternativa. Kyle Busch era o líder dentre os que haviam trocado quatro, mas estava em sexto.
 
Em compensação, a relargada de Kyle foi magistral. O #18 saltou de sexto para terceiro com grande facilidade, logo colando em Ty Dillon e Allgaier. Apesar dos pneus novos, Busch não conseguiu passar os ponteiros com tanta facilidade, permitindo a aproximação do quarto colocado, Erik Jones, também com quatro pneus novos.
 
Mas a resistência, claro, foi breve. Com pneus muito mais novos, Kyle Busch assumiu a liderança já na volta 110. Jones, por sua vez, passou Allgaier mas ficou preso atrás de Ty Dillon, perdendo a chance de ultrapassar o novo líder.
 
Depois de se livrar de Ty, Jones passou a focar em diminuir a vantagem de 1s1 que Kyle já tinha em mãos.
Erik Jones cruzou a linha de chegada em segundo (Foto: Getty Images)
Jones logo começou a reclamar do set-up do carro, que não estava muito bem ajustado. Sem as condições ideais, o segundo colocado via a diferença para o líder crescer lentamente.
 
Atrás, Ty Dillon e Allgaier faziam um grande trabalho, sustentando o terceiro e o quarto lugar mesmo com pneus velhos. A dupla era seguida de perto por Suárez, quinto, mas não era ultrapassada.
 
Sob pressão, Allgaier precisou fazer uma manobra sobre Ty para fugir de Suárez, cada vez mais ameaçador. Agora com ar limpo pela frente, o #7 abria alguma vantagem. Dillon, agora quarto, claramente não tinha ritmo suficiente, logo sendo ultrapassado por Suárez.
 
Com 35 voltas restando, a briga pela liderança ficava mais acirrada. Jones se entendeu melhor com seu carro, diminuindo a diferença para Kyle para 0s5.
 
Mais algumas voltas e a briga pela liderança estava completamente em aberto. Jones estava martelando muito, mas não conseguia concretizar a ultrapassagem sobre Kyle Busch.
 
A dupla eventualmente partiu para aquele que provavelmente seria o último pit do dia, parando na mesma volta. Mesmo reclamando de problemas nos pneus, Kyle Busch trocou apenas dois, assim como Jones. Com uma equipe de mecânicos mais eficaz, o #18 abriu 2s para o rival no processo.
 
E aí a situação ficou muito ruim para Jones. Restavam poucas voltas e o tempo de reação para Jones era quase inexistente. Portanto, não é surpreendente que Kyle Busch tenha assegurado a terceira vitória seguida.
 
VEJA A EDIÇÃO #19 DO PADDOCK GP, QUE ABORDA STOCK CAR, F1, INDY E F-E