MotoGP

Rossi diz que “não consegue se acertar” com Yamaha e suspeita de “algo a mais errado”

Valentino Rossi não tem visto a melhor de suas temporadas em 2019. Enfrentando problemas em conseguir ser competitivo com a Yamaha, o italiano não tem feito frente a seus adversários, sustentando uma seca de vitórias de mais de dois anos. Inclusive, afirmou que caso a Yamaha não consiga resolver os problemas, então seria difícil de seguir nas pistas

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
Valentino Rossi tem enfrentado uma difícil fase na MotoGP. Aos 40 anos, o piloto tem precisado lidar com uma Yamaha pouco competitiva, sem conseguir fazer frente para os demais adversários.
 
O italiano chegou à Alemanha somando três abandonos consecutivos, algo só visto em sua carreira antes em 2011, quando defendia a Ducati. Em Sachsenring chegou a ver a bandeira quadriculada, terminando em oitavo.
 
Cada vez mais as insinuações de que já deveria ter se aposentado crescem. Mas o #46 decidiu comentar sobre isso. “É normal perguntar se estou muito velho com a situação como está. Confesso que me pergunto também, comecei a me perguntar a dez anos, então imagine agora. Tenho 40 anos, não sou só o mais velho, sou seis ou sete anos do que o segundo mais velho”, apontou.
 
O multicampeão reconheceu que o tempo passa, assim como passou para ele, mas segue satisfeito em estar nas pistas. “Há coisas que apenas eu posso sentir e saberei quando não vou querer correr mais”, ressaltou.
Valentino Rossi (Foto: Yamaha)
“Muito depende dos resultados, se não pudermos resolver nossos problemas, então continuar pode se tornar um problema. Mas dez anos atrás fiz uma escolha. Poderia me aposentar como um vencedor ou continuar a correr porque minha paixão é enorme. Estou satisfeito com minha decisão”, seguiu.
 
Valentino hoje enfrenta uma seca de mais de dois anos sem subir ao degrau mais alto do pódio – a última vez que triunfo foi no GP da Holanda de 2017. Apesar de se incomodar com o fato, está ciente de que conquistou muito. 
 
“É claro que não gosto disso, mas já aconteceu no passado e sempre fui capaz de voltar a ser competitivo. Se considero nunca mais vencer? Já ganhei 80 corridas da MotoGP, diria que não é um resultado ruim.”
 
“Sabe qual foi o problema hoje? Estive 20s abaixo da minha corrida do ano passado. Não estamos falando de cinco anos, mas 12 meses. Se todos os pilotos melhoraram 20s e eu não, então realmente deveria terminar”, destacou.
 
“Mas asseguro que não sofro para encontrar a vontade de correr e meu foco e motivação seguem intactos. Claro, seria ótimo brigar com Márquez em termos iguais, mas não é possível e tenho que me focar na realidade de agora”, sublinhou.
 
Por fim, Rossi comentou sobre o fato de encarar o pior início de temporada de sua carreira, afinal, nunca somou apenas 80 pontos nas primeiras nove corridas do calendário. “Nem mesmo na Ducati? Tem certeza? Até Le Mans estava tudo indo bem, então vieram três zero”, reconheceu.
 
“Nas últimas quatro corridas consegui apenas oito pontos, é fácil explicar o resultado. Ano passado, estava no pódio nas quatro das cinco últimas prova e já era velho, tinha 39 anos. Há algo mais que não está certo. Não consigo me acertar com a moto assim”, encerrou.

Quem chegou tabéma falar sobre o assunto foi Giacomo Agostini. O piloto comentou como o tempo do italiano passou no Mundial, e que ele não tem conseguido seguir o ritmo dos adversários mais jovens.
 
Paddockast #24
A BATALHA: Indy x MotoGP




 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.