MotoGP

Chefe defende que pilotos sejam protagonistas e vê grid nivelado como “pedra fundamental” da MotoGP

Diretor-executivo da Dorna, Carmelo Ezpeleta avaliou que a igualdade do grid é a “pedra fundamental” da MotoGP. Dirigente ressaltou a importância de ter os pilotos como protagonistas do esporte

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
Às vésperas do início da temporada 2019 do Mundial de Motovelocidade, Carmelo Ezpeleta fala com orgulho dos rumos tomados pelo esporte. Diretor-executivo da Dorna, a promotora do certame, o dirigente considera ter seguido o rumo certo com o regulamento, o que permitiu uma alta competitividade na MotoGP.
 
Em uma entrevista à agência espanhola Europa Press, Ezpeleta avaliou que o regulamento atual ajuda as fábricas, mas reconheceu que cometeu um erro quando da mudança das 500 para a 1000cc.
Carmelo Ezpeleta exaltou a competitividade do grid da MotoGP (Foto: Michelin)
“Nós construímos regras que ajudam os fabricantes. Quando nos disseram que não poderiam construir motos de quatro tempos e passamos a cilindrada para 1000 partindo das 500, nós cometemos um erro, porque dissemos que eles criassem o regulamento e acabou sendo caríssimo”, disse Ezpeleta. “Mas nós tivemos a sorte de nos darmos conta de que viria uma crise dura e fomos mudando as regras, introduzindo uma série de normas técnicas”, seguiu.
 
“Nós permitimos que agora as motos sejam muito mais iguais, e essa é a pedra fundamental do nosso campeonato”, defendeu.
 
Ainda, Carmelo explicou a filosofia da Dorna, que repassa uma alta soma para as equipes satélites para financiar parte da operação e, assim, garantir a competitividade do esporte.
 
“Nós temos de fazer corridas competitivas nas quais os pilotos sejam os protagonistas. Para isso, é necessário ter equipes privadas e oficiais, os privados em condições piores, mas muito próximos”, defendeu. “Nós somos o patrocinador principal das equipes privadas, que têm motos muito similares às oficiais, e isso permite que as corridas sejam muito competitivas”, ponderou.