MotoGP

Aleix Espargaró mantém “um pouco” de fé na Aprilia, mas cobra melhora expressiva

Aleix Espargaró afirmou que ainda mantém um pouco de fé nas chances da Aprilia de brigar entre os ponteiros. Ainda assim, o #41 pressionou a casa de Noale, já que as marcas rivais conseguiram evoluir mais

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
Aleix Espargaró não esconde a insatisfação com a performance da Aprilia. Mesmo reconhecendo que se sente melhor com a RS-GP deste ano em comparação com o protótipo do ano passado, o #41 ressalta que a melhora mais expressiva da concorrência praticamente anula a evolução do time italiano.
 
Dono de um pódio na MotoGP, Aleix ocupa hoje a 14ª colocação no Mundial, com só 29 pontos, 221 atrás de Marc Márquez, o líder da disputa. 
Massimo Rivola e Aleix Espargaró (Foto: Aprilia)
Paddockast #31
QUEM NA F1 PASSA DE ANO?


Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Questionado se ainda tem fé de que poderá andar entre os ponteiros da MotoGP com a Aprilia, Aleix respondeu: “Ainda tenho um pouco. Eu acredito um pouco”.
 
“Obviamente, não é fácil, porque esses anos não foram fáceis. Sinto que eu estou pilotando melhor do que nunca na minha carreira, mas não é o bastante, porque os resultados não estão vindo”, avaliou. 
 
Durante todo o tempo que está na Aprilia, Aleix encarou três companheiros de equipe diferentes ― Sam Lowes, Scott Redding e Andrea Iannone ―, mas sempre se colocou como líder do time. Antes do catalão, Stefan Bradl e Álvaro Bautista também passaram pela casa de Noale, mas não conseguiram resultados.
 
“Durante esses anos, eles mudaram bastante de pilotos ― Bradl agora está pilotando pela HRC, Bautista está vencendo corridas [no Mundial de Superbike], Iannone estava vencendo corridas [na MotoGP] e agora ele chega aqui e é mais lento do que eu”, analisou. “Então não é fácil acreditar, mas a Aprilia é grande, o Grupo Piaggio é muito grande, então espero que ainda possamos reagir na próxima temporada e esperto que a nova moto seja melhor”, seguiu.
 
Perguntado, então, se o sucesso de Bautista o faz considerar um futuro no Mundial de Superbike, o irmão de Pol respondeu: “Não. Era algo que eu tinha em mente no passado, mas agora eu acho que não. Quero ter sucesso nesse paddock e, se não conseguir, acho que me aposento em breve”.
 
No início do ano, Aleix considerava a RS-GP um pacote melhor, mas os resultados ficaram longe de melhora.
 
“Me sinto melhor com essa moto do que com a do ano passado, mas todo mundo melhorou bastante”, disse Aleix. “Às vezes, nós vamos para uma pista e os engenheiros, eu diria, não estão felizes, mas estão satisfeitos por sermos mais rápidos do que no passado. Para mim, eu não dou a mínima, eu não ligo, ainda que eu seja 2s mais lento, mas se eu não estiver na primeira posição, não é bom o bastante”, considerou.
 
“Então o importante é o quão rápido você é em comparação com os caras top naquele dia, não nos anos anteriores. Não importa ― se melhorarmos meio segundo, mas os outros melhorarem 1s, é ruim. Então é onde estamos”, concluiu.
 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.