Indy

Hinchcliffe ganha batalha espetacular contra Sato na última curva e vence SP Indy 300

O canadense James Hinchcliffe venceu pela segunda vez na carreira na Indy neste domingo (5), em São Paulo, ao bater Takuma Sato e Josef Newgarden em uma disputa espetacular nas voltas finais e consumar uma ultrapassagem na última curva. Japonês lidera campeonato após quatro etapas

Warm Up, do Anhembi / RENAN DO COUTO, do Anhembi / HUGO BECKER, do Anhembi

A São Paulo Indy 300 de 2013 teve um final inesquecível. Pela primeira vez sem Will Power na briga, a corrida brasileira da Indy viveu últimas voltas mais do que emocionantes, com três pilotos brigando pela vitória. Takuma Sato, agora líder do campeonato, tentou resistir bravamente aos ataques de Josef Newgarden e James Hinchcliffe, e quase conseguiu. Contudo, na última volta, o canadense acionou o push-to-pass na Marginal Tietê, se aproveitou de um pequeno erro de Sato na freada da última curva e venceu pela segunda vez na temporada e na carreira.

James Hinchcliffe venceu pela segunda vez na carreira na Indy (Foto: Felipe Tesser/Grande Prêmio)
Hinchcliffe era o terceiro colocado na última relargada da prova. Nas primeiras passagens após a bandeira verde ser agitada no Sambódromo do Anhembi, o piloto da Andretti duelou com Simon Pagenaud e chegou a perder o posto, mas logo se recuperou. Ele, então, começou a diminuir a desvantagem que tinha para os ponteiros Sato e Newgarden. Rapidamente, já estava colado na dupla para executar duas belas ultrapassagens.

Essa foi a terceira vitória da Andretti em quatro corridas disputadas em 2013. Além da vitória de Hinchcliffe em São Petersburgo, a equipe que conquistou o título da Indy em 2012 também ganhou no GP do Alabama com Ryan Hunter-Reay.

Sato cruzou a linha de chegada em segundo lugar, e Marco Andretti se aproveitou da confusão dos metros finais e superou Newgarden para conquistar o lugar mais baixo do pódio. O norte-americano também acabou ultrapassado por Oriol Servià e fechou na quinta posição. O top-10 ainda teve Ernesto Viso, Dario Franchitti, Simona de Silvestro, Simon Pagenaud e Charlie Kimball.

Para os brasileiros, o domingo foi para esquecer. Helio Castroneves terminou apenas na 13ª posição após se envolver em três acidentes, Tony Kanaan foi o 21º colocado e Bia Figueiredo abandonou na sexta volta com problemas no câmbio.

icon_gp A cobertura da SP Indy 300 no GRANDE PRÊMIO
icon_gp Confira classificação da Indy após etapa do Anhembi
icon_foto As imagens deste domingo da Indy no Anhembi

Confira como foi a edição de 2013 da SP Indy 300:

Bye, Bia

Surpreendentemente, a largada não teve nenhum incidente. Todos os 25 pilotos do grid passaram ilesos pelo S do Samba. Hunter-Reay manteve a liderança, seguido por Viso, Franchitti e Kanaan. Poucos metros à frente, porém, o escocês da Ganassi superou o venezuelano da Andretti e pulou para a segunda posição.
 
No giro seguinte, Viso ainda sofreu bela ultrapassagem de Kanaan na reta da Marginal Tietê. Arrojado, o brasileiro pulou para a terceira posição logo de cara. Quem também fez ótima largada foi Simona de Silvestro, que pulou de oitava para sétima e por pouco não superou Dixon, então sexto colocado.
 
Na quinta volta, veio a primeira intervenção da bandeira amarela: Bia Figueiredo enfrentou problemas mecânicos e ficou lenta na pista, tendo que ser guinchada para os boxes. De acordo com a Dale Coyne, o problema da brasileira, que vinha no 15º lugar, foi com o exaustor do motor.

O show de Tony e um império em chamas
 
Na relargada, o showman da vez foi Kanaan. Inspirado, o baiano da KV superou Franchitti e pulou para o segundo posto, e, antes mesmo de completar a volta, na Curva da Vitória, passou Hunter-Reay e assumiu a ponta, para a alegria do público que lotou as arquibancadas do Sambódromo.
Chegou ao fim o reinado de Power em São Paulo (Foto: Carsten Horst/Fotoarena)
Mas a grande história daquele momento, de fato, vinha sendo escrita por Power. O australiano, favorito à pole mas que largou apenas em 22º, vinha em prova impiedosa de recuperação. Justificando seu histórico em São Paulo, o piloto da Penske ultrapassava um piloto por volta e, em menos de 20, já era o 11º colocado. Naquele ritmo, entraria na briga pela vitória.
 
No entanto, quando Will se preparava para entrar no top-10, seu carro superaqueceu e houve um princípio de incêndio em seu assoalho. O império de Power terminou em chamas.

S do Salseiro
 
Durante a segunda bandeira amarela, houve a primeira rodada de pit-stops. Com isso, os pilotos que ainda não haviam parado foram para as primeiras posições. Bourdais assumiu a ponta, seguido por Tagliani, Castroneves, Newgarden, Pagenaud e Kimball. Kanaan, um dos destaques da prova, caiu para o 12º posto.
 
A prova recomeçou trazendo o primeiro acidente da corrida. O S do Samba, maior vilão do fim de semana no Anhembi, não perdoou quem é ruim da cabeça e doente do pé. Castroneves, em fim de semana mais complicado do que o normal, passou direto pela área de escape, mas acabou se beneficiando e pulou para a segunda posição. Enquanto isso, logo atrás dele, Jakes bateu nos pneus internos da curva, ao mesmo tempo em que Carpenter e Rahal se tocaram e ficaram atravessados no meio do S. Um verdadeiro salseiro.
 
Mais uma interrupção, mais uma relargada, mais um problema com Helio. O piloto vinha na terceira posição, mas viu Pagenaud lento diante de si, tentou desviar e acabou atingido em cheio por Dixon, que acertou a traseira da Penske. Novamente, claro, no polêmico S rítmico e dançante. O brasileiro rodou e caiu para a última posição.

Nesta altura da corrida, Sato começou a aparecer com destaque: o japonês iniciou seu habitual festival de ultrapassagens, superando Kanaan e Kimball no mesmo giro, e, voltas depois, se colocando à frente de Hunter-Reay e se fixando na terceira posição. Após a segunda rodada de pit-stops, no entanto, Takuma chegaria à liderança pela primeira vez na prova.

Bi-vice, tri-batido
 
No 34º giro, Rahal bateu sozinho, novamente no S, perdendo o aerofólio dianteiro e provocando nova bandeira amarela. No quarto reinício, após um duelo fantástico entre Andretti e Servià, um múltiplo acidente interrompeu a prova de novo  o terceiro envolvendo Castroneves: o brasileiro foi acertado por trás por Bourdais e empurrou Pagenaud para a barreira de pneus, ao mesmo tempo em que Kimball atingiu a traseira de Seb. Um verdadeiro engavetamento típico do trânsito paulistano, apesar do clichê.
Castroneves viveu espécie de inferno astral em São Paulo (Foto: Claudio Capucho/Fotoarena)
A prova ficou paralisada por três voltas. A relargada, enfim, foi limpa, sem registrar acidentes. A grande batalha do momento era entre o novo líder, Hunter-Reay, e Kanaan, que vinha na cola do atual campeão. O brasileiro teve paciência para ultrapassar o piloto da Andretti no momento certo e reassumir a liderança. 

Pane seca e lágrimas
 
Tony tinha tudo para conquistar a primeira vitória de um brasileiro no Anhembi, mas um erro de cálculo da KV fez o piloto enfrentar uma pane seca.

Desolado, o baiano viu seu carro parar exatamente em cima da linha de chegada. Sobre a faixa de asfalto quadriculada, Kanaan levou as mãos à cabeça e lamentou perder sua maior chance de vencer diante de sua torcida.
 
Era a sexta amarela no Anhembi. E ainda viria a sétima, já que na relargada, Jakes e Wilson se tocaram e pararam na barreira de pneus. Entretanto, ambos continuaram na prova, apesar do prejuízo.
Kanaan lutava pela vitória quando sofreu pane seca (Foto: Victor Eleutério Costa/Fotoarena)

A epopéia do Anhembi
 
Com isso, a liderança passou para Sato, com Newgarden em segundo, Andretti em terceiro e Hinchcliffe em quarto. Era o prenúncio de um dos finais de corridas mais espetaculares dos últimos tempos.
 
Sato tentava se manter na liderança com apenas um push-to-pass, enquanto Newgarden ainda vinha com quatro. Hinchcliffe, aparentemente sem chances de vitória, duelou com Marco pela terceira posição e superou o norte-americano, abrindo vantagem e se fixando atrás da dupla de líderes.
 
Em grande fase e repetindo o mesmo nível de atuação apresentado em Long Beach, o japonês da Foyt parecia ter a vitória assegurada. Mas o piloto da Fisher Hartman, que havia largado na última posição, decidiu crescer no retrovisor de Takuma. Josef foi impiedosamente para o ataque e chegou a emparelhar pelo menos três vezes com o então líder da prova.
 
A disputa seguia tão intensa que o canadense havia sido deixado de lado. Mas James estava lá, pronto para fazer o seu show. Enquanto Sato se defendia e Newgarden torrava o que lhe restava de push-to-pass, Hinchcliffe foi se aproximando. 
 
O piloto da Andretti foi absolutamente decidido rumo à vitória. Passou Josef na primeira tentativa, e partiu para cima de Takuma com a mesma objetividade.
 
Tentou na volta 73, mas o japonês fechou a porta. Voltou a tentar de novo na 74, mas Sato foi ainda mais agressivo e se manteve na ponta a qualquer custo. Enquanto isso, Marco se aproximava de Newgarden.
 
O ápice veio na última volta. Hinchcliffe queria a vitória a qualquer custo. Andretti queria, ao menos, o pódio. Sato e Newgarden se defenderam como puderam.
 
Até a última curva
 
James tentou, de novo, por fora. Sato repetiu a manobra de defesa, mas travou os pneus, mas Hinchcliffe, esperto, fez o xis, colocando por dentro, fechando os olhos e pisando fundo no acelerador para vencer pela segunda vez na temporada. Um pouco atrás, Marco ultrapassava Newgarden da mesma forma e trazia, consigo, o espanhol Servià, que conseguiu chegar na quarta posição após atuação brilhante.
Hinchcliffe ficou com a vitória na última curva (Foto: Claudio Capucho/Fotoarena)
Independente do futuro da carreira do canadense, esta é e será, desde já, uma das mais espetaculares vitórias da carreira do promissor Hinchcliffe. E para o fã do automobilismo, uma corrida inesquecível, histórica, para jamais sair da memória de quem a testemunhou.

Indy, São Paulo, Anhembi, corrida, final:

1 James HINCHCLIFFE CAN Andretti Chevrolet 75 voltas  
2 Takuma SATO JAP Foyt Honda +0.346  
3 Marco ANDRETTI EUA Andretti Chevrolet +1.137  
4 Oriol SERVIÀ ESP DRR Chevrolet +1.174  
5 Josef NEWGARDEN EUA Fisher Hartman Honda +1.651  
6 Ernesto VISO VEN Andretti Chevrolet +2.811  
7 Dario FRANCHITTI ESC Ganassi Honda +3.596  
8 Simona DE SILVESTRO SUI KV Chevrolet +4.277  
9 Simon PAGENAUD FRA Schmidt Hamilton Honda +7.633  
10 Charlie KIMBALL EUA Ganassi Honda +9.026  
11 Ryan HUNTER-REAY EUA Andretti Chevrolet +9.513  
12 Alex TAGLIANI CAN Bryan Herta Honda +10.439  
13 Helio CASTRONEVES BRA Penske Chevrolet +11.123  
14 Sébastien BOURDAIS FRA Dragon Chevrolet +13.640  
15 JR HILDEBRAND EUA Panther Chevrolet +13.737  
16 Tristan VAUTIER FRA Schmidt Peterson Honda +14.351  
17 James JAKES ING RLL Honda +19.858  
18 Scott DIXON NZL Ganassi Honda +29.426  
19 Sebastián SAAVEDRA COL Dragon Chevrolet +54.722  
20 Justin WILSON ING Dale Coyne Chevrolet +2 voltas  
21 Tony KANAAN BRA KV Chevrolet +3 voltas  
22 Graham RAHAL EUA RLL Honda +4 voltas  
23 Ed CARPENTER EUA Carpenter Chevrolet +4 voltas  
24 Will POWER AUS Penske Chevrolet +58 voltas NT
25 Bia FIGUEIREDO BRA Dale Coyne Chevrolet +69 voltas NT

O GRANDE PRÊMIO acompanha ‘in loco’ a SP Indy 300 no Anhembi com os repórteres Victor Martins, Evelyn Guimarães, Felipe Giacomelli, Renan do Couto e Hugo Becker, os fotógrafos Rodrigo Berton e Felipe Tesser e o videorrepórter Renato Lima.