FE

Bueno lamenta “falta de consistência”, mas mantém esperança de título em decisão do eTrophy

Cacá Bueno foi pole e venceu as duas mais recentes corridas do Jaguar I-Pace eTrophy, mas aparece “apenas” em terceiro na classificação na semana da decisão, em Nova York. Para ele, não é impossível ser campeão, mas dá para lamentar o início da temporada

Grande Prêmio / FELIPE NORONHA, de São Paulo
No próximo final de semana, Nova York recebe não só as corridas decisivas da Fórmula E, mas também as do Jaguar I-Pace eTrophy em sua temporada de estreia. E, tal como a categoria principal, a secundária também chega ao fim com disputa (em rodada dupla nos EUA).

Sergio Jimenez lidera, com 107 pontos,seguido pelo americano Bryan Sellers, com 101. E Cacá Bueno, o piloto que mais fez poles (quatro) e mais venceu (três vezes) no cameponato, é o terceiro com esperanças de título, com 91 pontos.

Mas por que Bueno, mesmo com resultados melhores, está atrás dos adversários? Ele explicou ao GRANDE PRÊMIO sua visão: "Acho que faltou um pouco de consistência no começo do ano, faltou muita sorte também."
Cacá Bueno (Foto: Bruno Terena/RF1)
Ele listou os problemas nas primeiras etapas: "Se não era o mais rápido era um dos mais na Arábia Saudita. Decidi economizar pneu na classificação, não andei no final do treino, caí de primeiro para quarto no final. E aí caiu um dilúvio no deserto. No México, o Jimenez largou em sétimo, eu larguei em quinto e logo passei para quarto, quando eu passo para terceiro tomo uma baita batida, o mexicano me batem, eu saio da pista. Nessa manobra o Jimenez passa todo mundo."

"Depois eu tive um furo de pneu em Roma, na classificação, que me faz largar em sétimo. E aí eu cometo dois erros, principalmente em Paris, e aí é minha culpa: errar a curva 1 em Hong Kong, quando eu liderava, e acabei batendo na disputa pelo segundo lugar em Paris. Acho que tive muito azar, mais que a maioria, e tive dois momentos de erros meus que estão custando", seguiu.

Em meio a estas corridas citadas, ele venceu em Sanya, na China, e em seguida fez a pontuação completa tanto em Mônaco, como em Berlim. E, por isso, chega com chances, mesmo que menores que os líderes, de título.

"Se eu ganhar as duas corridas... Venho de duas vitórias, por que não mais duas? Nesse caso eu ultrapassaria o Sellers, e o Jimenez eu precisaria que em uma das duas corridas ele fosse terceiro, se eu fizer a pole e vencer nas duas."

"É muito difícil? É lógico que é muito difícil. Porque não falamos de duas vitórias e duas poles, mas sim de quatro poles seguidas e quatro vitórias seguidas. E isso, em qualquer tipo de automobilismo, até mesmo com a Mercedes na F1, é difícil de fazer", opinou Bueno.
Cacá Bueno (Foto: Jaguar i-Pace eTrophy)

Paddockast #24
A BATALHA: Indy x MotoGP



Se Jimenez ficar com a primeira taça da história dacategpria, Bueno afirma que é justo, pois foi o mais "consistente". E se baseia no desempenho do compatriota para manter a esperança.

"Eu, para ganhar o título, agora preciso ser rápido como estou sendo, e consistente como ele está sendo. Não é uma missão fácil, mas estou extremamente satisfeito com minha segunda metade de ano lá. Foi um rendimento muito, muito acima da média, e acho que mostrei todo o trabalho do nosso time. Se o título não vier é uma pena, mas vamos tentar finalizar da melhor maneira possível", concluiu.

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.