carregando
F1

Ward confirma candidatura de oposição a Todt nas eleições presidenciais da FIA, no fim de 2013

A corrida eleitoral começou: David Ward, chefe do programa de segurança no trânsito da FIA, será candidato à presidência da entidade máxima do automobilismo no fim deste ano

Warm Up / Redação GP, de São Paulo

O britânico David Ward, 56, anunciou, nesta quinta-feira (29), que será candidato à presidência da FIA nas eleições que estão marcadas para o fim deste ano. Ele deve fazer concorrência ao francês Jean Todt, que ainda não confirmou, mas acredita-se que tentará a reeleição para um segundo mandato à frente da entidade.

Semanas atrás, Ward, chefe do programa para segurança no trânsito, já havia manifestado interesse em disputar o pleito com a intenção de gerar o debate acerca dos rumos da Federação Internacional de Automobilismo.

A oficialização dessa intenção foi feita através de uma nota divulgada à imprensa. “Depois de pensar com muito cuidado, eu decidi me candidatar na eleição presidencial de 2013 da FIA”, declarou o inglês.

“O período eleitoral começa em setembro e vai ser necessário que eu me aproxime dos membros da FIA para assegurar indicações. Nessas circunstâncias, eu acho que a ação mais correta é renunciar”, disse, revelando que deixará o cargo que ocupava na entidade.

“Processos eleitorais, inevitavelmente, envolvem debates robustos e vivos, e enquanto a Fundação é independente e não há nenhuma imposição legal para que eu renuncie, eu acredito que, em nome dos melhores interesses da comunidade, devo fazê-lo”, acrescentou o candidato.

O nome de Ward não é tão conhecido para quem acompanha o esporte a motor porque o inglês nunca atuou diretamente nos campeonatos regidos pela FIA. Na verdade, Ward sempre esteve do lado burocrático. Ele entrou na entidade para trabalhar no escritório de Bruxelas, com a missão de lidar com os parlamentos britânico e europeu.

Todt ocupa a presidência desde 2009, quando foi eleito para assumir o lugar deixado por Max Mosley. Nestes quatro anos, teve como ação mais notável a recriação do Mundial de Endurance, que não era disputado desde meados da década de 1990. Contudo, especialmente na F1, envolveu-se em polêmicas, e a categoria ainda não conseguiu firmar nem um novo Pacto da Concórdia, nem tem uma fornecedora de pneus para o próximo ano – a FIA ainda não aprovou a renovação do contrato com a Pirelli.