F1

Rosberg anula ameaça da concorrência e larga na pole em Cingapura para tentar revirar jogo no campeonato

Iluminado pelas luzes artificiais de Marina Bay, Nico Rosberg confirmou o bom momento na temporada e conquistou a pole-position para o GP de Cingapura, neste sábado (17). E agora tem uma chance de ouro para tentar a virada em 2016. Entre os brasileiros, Felipe Massa sai em 12º no grid, enquanto Felipe Nasr será o 18º

Warm Up / EVELYN GUIMARÃES, de Curitiba

Fazendo grande proveito da boa fase que o acompanha desde a volta das férias da F1 em 2016, Nico Rosberg foi capaz de afastar os rivais no sábado (17) à noite em Cingapura e cravou uma importante pole-position para a corrida deste domingo pelas ruas iluminadas de Marina Bay. O sétimo posto de honra no grid neste ano também coloca o alemão em uma forte posição para tentar a virada no campeonato para cima de Lewis Hamilton – apenas dois pontos separam os dois ponteiros na tabela de classificação.

 A pole ainda foi a de número 29 na carreira do filho de Keke Rosberg na F1, que agora o põe em igualdade a outra lenda do esporte: Juan Manuel Fangio. E falando no argentino, essa também será a 150ª pole do motor Mercedes na maior das categorias.

E a vida de Rosberg ainda ficou relativamente menos complicada porque Hamilton não conseguiu sequer um lugar na primeira fila. Na tentativa final de volta rápida, o tricampeão cometeu dois erros e acabou fechou o giro em 1min43s288, suficiente apenas para o terceiro lugar no grid. Isso porque Daniel Ricciardo acertou uma volta limpa e livre de erros nos instantes finais ao cravar 1min43s115. O desempenho colocou o australiano ao lado de Rosberg na primeira fila.

Max Verstappen ficou em quarto, à frente da Ferrari de Kimi Räikkönen. A outro ferrarista, Sebastian Vettel, sai apenas em último depois de uma falha no carro ainda no Q1. Carlos Sainz, Daniil Kvyat, Nico Hülkenberg, Fernando Alonso e Sergio Pérez completaram os dez primeiros. Entre os brasileiros, Felipe Massa sai em 12º no grid, enquanto Felipe Nasr será o 18º. 

Massa lamentou a bandeira amarela causada pelo acidente com Romain Grosejan na parte final da classificação - o brasileiro ainda questionou a perda de posição no Q3, porque tirou o pé no momento do incidente, mas viu alguns concorrentes não agirem da mesma forma. “Na bandeira amarela eu arranquei o pé, minha equipe me informou, e parece que os outros carros não fizeram a mesma coisa que eu. Parece que tiveram carros que não tiraram o pé na bandeira amarela, então precisa ser investigado para ver o que aconteceu”, disse o piloto da Williams.

Já Nasr enfrentou problemas com o carro da Sauber. “Na verdade, em todos os treinos o carro estava trabalhando bem. Mas na classificação simplesmente perdi a aderência , principalmente nos pneus ultramacios, o carro estava completamente desequilibrado, na segunda tentativa eu peguei o Magnussen na volta que estava aquecendo os pneus, isso também não ajudou”, avaliou o brasileiro.
Nico Rosberg é o pole em Cingapura (Foto: Mercedes)
Confira como foi a classificação da F1 para o GP de Cingapura

Pontualmente, às 21h locais, os carros da F1 ganharam a iluminada pista de Marina Bay para a primeira fase da classificação. E o calor e a alta umidade se mostravam como a maior dificuldade para pilotos e equipes. E quem logo deixou os boxes foi Pascal Wehrlein, com a Manor equipada com pneus macios - amarelos. Atrás do alemão, Lewis Hamilton também veio na sequência - o inglês saiu logo de cara porque enfrentou problemas durante todos os treinos e sequer teve tempo de simular ritmo de corrida. Nico Rosberg se juntou ao companheiro de Mercedes na sequência. E ambos já usando os pneus ultramacios. Não demorou muito, e a pista se encheu de gente.
 
Mas foi Rosberg quem abriu o cronômetro nas ruas da cidade-estado asiática. Apesar de não ter feito uma volta limpa e livre de erros, o vice-líder fechou o giro inicial em 1min45s316, saltando para a ponta. Só que Lewis veio mais veloz e cravou 1min45s167, tomando a liderança. Aí os dois se recolheram aos boxes.
 
Jenson Button se colocou em terceiro, mas mais de 1s atrás. Romain Grosjean, Jolyon Palmer, Felipe Nasr, Kevin Magnussen e Marcus Ericsson completavam a tabela provisória do Q1. Aí Felipe Massa apareceu bem em terceiro, mas foi logo superado por Carlos Sainz, que viu a colocação ser batida por Fernando Alonso - o espanhol foi o primeiro a entrar na casa de 1min45s. Todos neste início rodando com os ultramacios. 
 
A Ferrari e a Red Bull esperaram um pouco mais para sair, mas quando ganharam a pista, vieram velozes. Kimi Räikkönen já passou em 1min44s964, trazendo consigo Max Verstappen. Hamilton, Rosberg e Alonso fechavam o top-5. 
 
Sebastian Vettel, por sua vez, já se queixava de problemas na barra estabilizadora traseira do carro na primeira tentativa – na verdade, alemão sequer completou volta cronometrada e já retornou aos boxes. Vettel chegou a sair uma vez mais, mas não era dia de Seb mesmo. As falhas seguiram, e o tetracampeão não teve como continuar. Larga em último o ferrarista. 
Daniel Ricciardo liderou o Q1 (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)
Enquanto isso, Daniel Ricciardo foi lá e tomou a ponta com 1min44s255. A marca foi 0s7 mais veloz que Räikkönen e Verstappen. Sergio Pérez ainda conseguiu colocar a Force India em quinto. Button ainda garantiu a McLaren em sexto, à frente de Daniil Kvyat, Rosberg, Alonso, Gutiérrez, Sainz, Grosjean, Massa, Hülkenberg, Bottas e Ericsson, que fechou a lista dos classificados para o Q2. 
 
Kevin Magnussen, Felipe Nasr, Jolyon Palmer, Wehrlein, Esteban Ocon e Vettel ficaram de fora.

O Q2 - Williams fora, McLaren dentro

Assim que a bandeira verde autorizou o início da segunda fase da classificação em Cingapura, Marcus Ericsson, Nico Rosberg e Lewis Hamilton logo ganharam a pista. E o alemão não teve problemas em se posicionar na frente com o melhor tempo do fim de semana até então em 1min43s020. Hamilton surgiu 0s4 mais lento. Atrás dos prateados, a Ferrari de Kimi Räikkönen.
 
O finlandês andou em 1min44s159, mas não foi suficiente para mantê-lo ali por muito tempo. Logo, a Red Bull apareceu forte com seus dois comandados. Mas Daniel Ricciardo foi o único da dupla a entrar na casa de 1min43s933. Max Verstappen virou 1min44s112 e se pôs em quarto, à frente do ferrarista. Mas o detalhe aqui é que: enquanto a Mercedes optou pelos pneus ultramacios, os austríacos preferiram os supermacios, o que deixou claro um caminho diferente em termos de estratégia para as duas rivais. A Ferrari, por sua vez, obedeceu à configuração dos alemães.
 
Carlos Sainz, Nico Hülkenberg, Valtteri Bottas, Daniil Kvyat e Felipe Massa completavam os dez primeiros pouco antes dos instantes finais do Q2. No fim, Massa e os dois pilotos da McLaren voltaram à pista com um jogo de pneus novos. Mas a sessão acabou em dois incidentes.
 
O primeiro foi protagonizado por Grosjean, que perdeu a traseira da Haas na aproximação da curva 10 e foi direto para a barreira de proteção. Já Button tocou na mureta na parte final da volta e por lá ficou. Assim, os classificados foram: Rosberg, Hamilton, Ricciardo, Verstappen, Räikkönen, Kvyat, Sainz, Alonso, Pérez e Hülkenberg. Fora: Bottas, Massa, Button, Gutiérrez, Grosjean e Ericsson.
Felipe Massa ficou fora do Q2 (Foto: Williams)
Dessa forma, Massa sai em 12º no grid, enquanto Nasr será o 18º. 

Q3 – uma atuação de gala
 
O início da fase decisiva da classificação precisou ser adiado por conta dos reparos do acidente de Grosjean na parte anterior. Quando finalmente tudo se acertou, a McLaren mandou logo Fernando Alonso à pista. O espanhol foi seguido por Nico Hülkenberg e Sergio Pérez. Aí a Mercedes e a Red Bull também se juntaram ao grupo. Todo mundo, claro, desfilando os pneus ultramacios.

E Rosberg teve uma atuação de gala. Na primeira tentativa de volta rápida, o alemão voou e virou 1min42s584. Hamilton não teve sequer um desempenho próximo. O inglês se colocou em segundo, mas a 0s7 do companheiro de equipe.

Kimi Räikkönen ainda conseguiu colocar a Ferrari em terceiro nesta primeira parte da classificação. Daniel Ricciardo e Max Verstappen terminaram logo atrás, mas à frente de Sainz, Alonso, Hülk, Pérez e Daniil Kvyat.

No giro final da classificação, Rosberg não conseguiu ser mais veloz que sua marca anterior, mas, ainda assim, foi o mais rápido que a concorrência, garantindo a sétima pole da temporada. Hamilton, por outro lado, cometeu erros e viu Daniel Ricciardo superá-lo na tabela de tempos, caindo para terceiro. Max Verstappen fechou o top-4.

A largada do GP de Cingapura está marcado para as 9h (de Brasília). O GRANDE PRÊMIO acompanha tudo AO VIVO e em TEMPO REAL.
 
F1, GP de Cingapura, Marina Bay, Grid de largada:
1 6 NICO ROSBERG ALE MERCEDES   1:42.584   12
2 3 DANIEL RICCIARDO AUS RED BULL TAG HEUER   1:43.115 +0.531 12
3 44 LEWIS HAMILTON ING MERCEDES   1:43.288 +0.704 12
4 33 MAX VERSTAPPEN HOL RED BULL TAG HEUER   1:43.328 +0.744 12
5 7 KIMI RÄIKKÖNEN FIN FERRARI   1:43.540 +0.956 12
6 55 CARLOS SAINZ JR ESP TORO ROSSO FERRARI   1:44.197 +1.613 14
7 26 DANIIL KVYAT RUS TORO ROSSO FERRARI   1:44.469 +1.885 15
8 27 NICO HÜLKENBERG ALE FORCE INDIA MERCEDES   1:44.479 +1.895 17
9 14 FERNANDO ALONSO ESP McLAREN HONDA   1:44.553 +1.969 15
10 77 VALTTERI BOTTAS FIN WILLIAMS MERCEDES   1:44.700 +2.116 11
11 19 FELIPE MASSA BRA WILLIAMS MERCEDES   1:44.991 +2.407 11
12 22 JENSON BUTTON ING McLAREN HONDA   1:45.144 +2.560 13
13 21 ESTEBAN GUTIÉRREZ MEX HAAS FERRARI   1:45.593 +3.009 12
14 8 ROMAIN GROSJEAN FRA HAAS FERRARI   1:45.723 +3.139 11
15 9 MARCUS ERICSSON SUE SAUBER FERRARI   1:47.827 +5.243 12
16 20 KEVIN MAGNUSSEN FRA RENAULT   1:46.825 +4.241 9
17 12 FELIPE NASR BRA SAUBER FERRARI   1:49.050 +6.466 8
18 11 SERGIO PÉREZ MEX FORCE INDIA MERCEDES P +8 1:44.582 +1.998 10
19 30 JOLYON PALMER ING RENAULT   1:46.960 +4.376 9
20 94 PASCAL WEHRLEIN ALE MANOR MERCEDES   1:47.667 +5.083 8
21 31 Esteban OCON FRA MANOR MERCEDES   1:48.296 +5.712 9
22 5 SEBASTIAN VETTEL ALE FERRARI   1:49.116 +6.532 4
                 
    TEMPO 107% Q1     1:50.333    
PADDOCK GP #46 TRAZ BOB KELLER E DEBATE VITÓRIAS DE FRAGA E PEDROSA