carregando
F1

“Ritmo muito ruim” da Williams na Hungria contraria previsão de Massa: “Precisamos entender o que aconteceu”

Após o fraco rendimento da Williams no GP de Mônaco, Felipe Massa descartou um desempenho tão ruim no restante da temporada. Mas eis que na Hungria, circuito igualmente travado, o ritmo do FW37 se mostrou muito ruim, o que faz o brasileiro pensar sobre o que houve no domingo

Warm Up / Redação GP, de Sumaré
As duas oportunidades em que a Williams zerou a pontuação com seus dois pilotos na temporada 2015 foram nos GPs de Mônaco e da Hungria. Não à toa, os dois circuitos mais travados do calendário até o momento. Após terminar em 15º lugar nas ruas do Principado no fim de maio, Felipe Massa afirmou que o fraco desempenho do FW37 não se repetiria no restante do campeonato. Mas bastou chegar a Hungaroring para que a Williams mostrasse seu ponto mais fraco. Novamente, o brasileiro, assim como Valtteri Bottas, passou longe da zona de pontuação, ficando em 12º. O que faz Felipe buscar respostas para uma queda tão brusca.

Em Silverstone, na nona etapa do Mundial, a Williams teve um começo de prova quase perfeito, com Massa chegando a liderar as primeiras 20 voltas. É certo que tanto Felipe quanto Bottas acabaram sendo vítimas da estratégia falha do time de Grove e, por isso, não tiveram condições de lutar pelo pódio, mas o ritmo estava lá, diferente do que ocorreu durante o GP da Hungria do último domingo.
O NOVO PROJETO DO GRANDE PRÊMIO
Flavio Gomes: nossos patrões — os detalhes do projetoColabore com o projeto e ganhe uma camiseta da Red BullNesta segunda-feira (27), Massa voltou a falar em exceção ao avaliar o desempenho do seu carro na Hungria, mas quer saber o que causa tanta queda de performance do FW37 nos circuitos travados. O próximo desafio neste tipo de traçado está marcado para 20 de setembro, a 13ª etapa do Mundial.
Desempenho ruim da Williams na Hungria deixou Massa sem respostas (Foto: AP)
“Estou 100% certo de que isso foi uma exceção. O que aconteceu ontem foi uma corrida difícil”, disse Felipe em entrevista publicada pelo site ‘F1i.com’. “Estávamos fortes na última vez em que lutamos pelo pódio e pelo primeiro lugar, então precisamos entender o que aconteceu porque teremos outro circuito lento, que é Cingapura”, explicou o dono do carro #19.

“O ritmo foi muito ruim, e não sei a razão. Atrás do tráfego, com pneus médios, não consegui guiar a toda potência pela perda de aderência geral no carro. Então o melhor stint foi talvez o último, com os pneus macios, mas mesmo com eles eu não fui rápido”, lamentou. Ainda sem encontrar as respostas para uma performance tão pobre da Williams, Massa elogiou o trabalho da Red Bull, que conquistou seu melhor resultado na temporada ao colocar Daniil Kvyat em segundo e Daniel Ricciardo em terceiro.

“É decepcionante ver que não tínhamos ritmo. Se as Red Bull estão no pódio é porque eles merecem e fizeram um bom trabalho. Não estamos no pódio porque nosso ritmo não esteve lá. Acho que algo não fez os pneus funcionarem na corrida, talvez a temperatura, não sei, ficamos de fora da briga”, disse.

Contudo, o brasileiro aposta em reação rápida da Williams, uma vez que a maioria das pistas do calendário em sua segunda metade é de média ou alta velocidade, como Spa-Francorchamps, Monza, Suzuka, Austin, Hermanos Rodríguez e Interlagos.

“Mas nós temos muitas pistas que se adequam a nós, então isso não é um problema. Estou certo de que vamos voltar ao nosso ritmo, o que será bom para nós”, concluiu Massa, confiante.