F1

Ricciardo diz que perder quinto lugar seria “soco no estômago“ da Renault

Daniel Ricciardo afirmou que a Renault teria levado um “soco no estômago” se tivesse perdido a quinta colocação no Mundial de Construtores. O australiano reconheceu que o time francês fez um ano abaixo do esperado, mas considerou que o resultado é importante para manter a motivação

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
Daniel Ricciardo avaliou que a Renault teria levado um “soco no estômago” se tivesse perdido a briga pelo quinto lugar no Mundial de Construtores da Fórmula 1 para a Toro Rosso. A escuderia italiana fechou 2019 com seis pontos a mais que o time de Daniil Kvyat e Pierre Gasly.
 
Questionado pela revista inglesa ‘Autosport’ sobre a importância de manter a quinta colocação no Mundial de Pilotos, Ricciardo respondeu: “Acho que [perder], definitivamente, teria sido um soco no estômago”.
Daniel Ricciardo (Foto: Renault)
Paddockast # 44
RETROSPECTIVA 2019: MUITO QUE BEM, MUITO QUE MAL


Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

“Eu sei que, financeiramente, é. E você coloca a perda financeira como um tipo de perda de motivação. E nós não precisávamos disso”, ponderou. “Então vamos encarar isso como uma coisa positiva e dizer: ‘Ok, caras, nós desviamos da bala. Vamos desviar de todas as balas no ano que vem e bagunçar as coisas’”, seguiu.
 
Na última corrida da temporada, em Abu Dhabi, Ricciardo e Nico Hülkenberg acabaram fora da zona de pontuação. O australiano considerou que a estratégia afetou seu resultado em Yas Marina.
 
“O pneu duro matou a minha corrida. Não tínhamos velocidade com ele”, contou. “E esse é uma daquelas coisas que, como piloto, você sabe imediatamente”, apontou.
 
“Às vezes, nós testamos por cinco ou sete voltas, mas você precisa só da volta de saída para saber como o carro vai se comportar e eu senti já na curva 8. Acho que foi na volta de saída com o duro”, contou. “Meu instinto me disse que seria um stint bem ruim, mas eu não disse isso no rádio imediatamente”, continuou.
 
“Não queria ser negativo na primeira voltas, mas, depois de algumas voltas, eu disse: ‘Caras, não vamos a lugar nenhum’”, recordou. “então, eventualmente, fizemos duas paradas. O macio era muito melhor, mas acho que era um pouco tarde demais”, opinou.
 
Por fim, Ricciardo destacou que é importante entender antes das férias o motivo de os pneus duros não terem funcionado.
 
“Não quero deixar isso passar. Quero entender o motivo de o duro não ter funcionado para nós e, de fato, ainda mais importante, a razão de termos colocado os duros. Não era nosso plano inicial na estratégia”, contou.
 
“Mas vamos ter um descanso. Acho que agora é importante manter o espírito do time em alta no inverno”, defendeu. “Nós tivemos uma performance abaixo do esperado na maior parte deste ano, mas não podemos deixar isso nos abalar. Acho que, se isso acontecer, não vamos avançar no próximo ano. Então vamos manter a chama acesa”, concluiu.
 

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.