F1

Renault se despede com tributo a Hülkenberg: “Livros não lhe farão justiça”

No dia da despedida de Nico Hülkenberg da Fórmula 1, a Renault prestou um tributo para o alemão. A escuderia francesa colocou o piloto como decisivo e afirmou que os recordes não fazem jus ao talento do #27

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
Robert Kubica não foi o único a se despedir da Fórmula 1 no GP de Abu Dhabi. Nico Hülkenberg também deu adeus ao Mundial neste domingo (1), mas com um tributo da Renault, que, mais cedo, tinha colocado perucas loiras para homenagear o #27.
 
Titular da Renault desde 2017, Nico será substituído por Esteban Ocon na temporada 2020. 
 
Chefe da Renault, Cyril Abiteboul afirmou que a decisão de substituir Nico não foi fácil, mas agradeceu a contribuição dele com o time. 
Nico Hülkenberg (Foto: Renault)
Paddockast # 44
RETROSPECTIVA 2019: MUITO QUE BEM, MUITO QUE MAL


Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

“Nós precisávamos de um piloto que tivesse a experiência e a maturidade para nos ajudar a dar o passo seguinte e não podíamos ter ninguém melhor do que ele”, disse Abiteboul antes da corrida deste domingo. “Não foi uma decisão fácil, já que ele tem muitas boas qualidades: é um grande piloto, está sempre motivado e busca melhorar, algo que nos contagiou”, seguiu.
 
“Nós desejamos a ele boa sorte no futuro e o agradecemos de coração por sua grande contribuição com a Renault nos últimos três anos”, completou.
 
Engenheiro de Hülkenberg, Mark Slade exaltou o impacto do alemão na mentalidade da escuderia francesa.
 
“Quando Nico chegou, em 2017, ele nos levou a outro nível. Da noite para o dia, nós voltamos a estar no mapa, funcionando como uma grande equipe de novo. Quando você tem alguém que sabe que pode render, é como uma motivação subconsciente. É inteligente, eficiente e não faz bagunça, apesar de ter um senso de humor particular”, comentou. “Ele está comprometido para render e é incrivelmente resistente, provavelmente muito mais do que qualquer engenheiro. Nós tivemos grandes corridas juntos, mas os livros de história não lhe farão justiça”, opinou.
 
“Foi um prazer trabalhar com ele. Eu diria que ele está no topo dos melhores pilotos com que trabalhei na minha carreira. Foi parte da equipe, se envolveu no nosso desenvolvimento, e isso é genial”, encerrou Slade, que já trabalhou com pilotos como Kimi Räikkönen.
 
Diretor-esportivo da Renault, Alan Permane também exaltou a contribuição “extremamente importante” de Nico.
 
“Posso recordar uma vez em Silverstone, em 2017, quando ele estava nos falando de certas características de pilotagem. Ele queria ter mais velocidade na curva e sentia a carga aerodinâmica desaparecia quando ele mais precisava”, recordou. “Desenvolvemos um novo plano de fundo para ajudá-lo com isso e, finalmente, conseguimos para o GP da Inglaterra. Ele não disse nada no rádio por um tempo e logo apareceu. ‘Eu não falei nada, mas se vocês pudessem ver a minha cara, veriam um enorme sorriso nela’. Isso resume como ele é: quando ele tem algo a dizer, sempre é interessante escutá-lo”, concluiu.
 

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.