F1

Red Bull mostra RB11 para temporada 2015 e choca com pintura camuflada e bico no estilo da Mercedes

A Red Bull não quis saber de cerimônia para apresentar o RB11 neste domingo (1) em Jerez de la Frontera. A equipe austríaca simplesmente soltou fotos do modelo, ainda camuflado, e tratou de colocar Daniel Ricciardo logo na pista

Warm Up / EVELYN GUIMARÃES, de Curitiba
A nova criação da Red Bull apareceu camuflada em Jerez de la Frontera. O RB11, o carro com o qual os tetracampões vão competir na temporada 2015 da F1, surgiu no pit-lane da pista espanhola nesta manhã de domingo (1) sem pompa ou cerimônia. A equipe austríaca sequer fez uma apresentação, apenas divulgou fotos e tratou de botar Daniel Ricciardo logo no circuito, para a primeira volta de instalação.

O modelo, provavelmente o último projeto totalmente assinado pelo gênio Adrian Newey, vai usar uma pintura provisória por enquanto, em preto e branco. Do que se pode perceber, as linhas são refinadas, como sempre, e o bico é mais baixo também, mas um pouco mais curto, diferente das soluções usadas por Ferrari e Toro Rosso, por exemplo. É bem parecido com o desenho da Mercedes.
O RB11 foi apresentado e espanta pela mudança nas cores (Foto: Red Bull)
A vice-campeã de 2014 teve de correr para deixar tudo pronto. O novo carro só foi aprovado nos testes de impacto da FIA no sábado, apenas um dia antes do início da pré-temporada. Agora, o time tenta preencher as lacunas deixadas no ano passado e que impediram que a esquadra se aproximasse da Mercedes.

"O design do RB11 é resultado de tudo o que aprendemos no ano passado, que representou também uma grande mudança nos regulamentos, então a unidade de força é a preocupação e o pacote que vem com isso. Ou seja, foi preciso aperfeiçoar essas lições todas no carro", afirmou Newey, o diretor-técnico da equipe dos energéticos, em nota.

O motor, aliás, é onde mora a grande esperança da Red Bull para tentar entrar na briga com a Mercedes. No ano passado, a unidade produzida pela Renault apresentou diversos problemas de confiabilidade e desempenho, e o time e a fabricante viveram um pesadelo durante os primeiros testes coletivos.

Agora, com as melhorias feitas pela fornecedora francesa, Christian Horner, o chefe da equipe, vê 2015 com mais otimismo. "A relação com a Renault é ainda mais próxima agora", afirmou o inglês, reiterando que os laços técnicos estão estreitos e que há uma união de forças para superar as falhas.

"A Red Bull é a única parceira da Renault, nós e a Toro Rosso, então a concentração da Renault está toda voltada e próxima da nossa equipe de design, e essa integração deve dar bons resultados. Trabalhando junto com a Renault, acho que podemos dar um enorme passo à frente neste ano", acrescentou.

Com relação à dupla de pilotos, a equipe de Dietrich Mateschitz manteve Daniel Ricciardo, que foi responsável pelas três vitórias do time em 2014. O australiano deve agora liderar mesmo a esquadra na disputa, especialmente, com Lewis Hamilton e Nico Rosberg, os dois rapazes da Mercedes.

A Red Bull, como se sabe, teve um importante desfalque e perdeu Sebastian Vettel para Ferrari. Para o lugar do alemão, a cúpula austríaca decidiu colocar o novato, mas rápido Daniil Kvyat. O russo de apenas 20 anos estreou em 2014 pela Toro Rosso, quando foi promovido depois do título da GP3. Terminou o ano na 15ª colocação, com oito pontos.

As imagens do RB10 da Red Bull

"Sem contar a Mercedes, nós fomos a única equipe a vencer em 2014 e ganhamos três vezes com Daniel Ricciardo", destacou Horner.

"Nossa meta é reduzir essa diferença e colocar a Mercedes sob pressão, tanto quanto possível. Nós sabemos o que queremos e sabemos o que é preciso fazer para alcançar esse objetivo. Confio no RB11, nos pilotos e em nossa estrutura criada em terno disso", encerrou.

GRANDE PRÊMIO está em Jerez de la Frontera com o repórter Renan do Couto e o fotógrafo Xavi Bonilla e segue os trabalhos AO VIVO e em TEMPO REAL.
O BICO-SETA

A Toro Rosso escolheu o pit-lane da pista de Jerez de la Frontera, que já quase virou um sinônimo de pré-temporada na F1, para exibir o seu STR10, o modelo com o qual pretende disputar o Mundial 2015. O novo carro de Faenza obedece ao esquema padrão de cores e vem em uma combinação agressiva de azul escuro e vermelho, evidenciado pela pintura do touro da Red Bull na cobertura do motor.
 
Pouco minutos antes de a equipe retirar o pano que escondia a criação na tarde deste sábado (31), Franz Tost, o chefe da esquadra que comemora em 2015 a décima temporada na F1, afirmou que "estava convencido de que o carro é o melhor construído até o momento pela Toro Rosso".

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO.
O QUINTO COMO META

A Toro Rosso sonha alto no início da temporada 2015 da F1. O time B da Red Bull na categoria apresentou o carro deste ano neste sábado (31), em Jerez, traçando uma meta mais do que ambiciosa: terminar o Mundial de Construtores na quinta colocação.
 
É muito se você pensar que o time nunca fez mais que 41 pontos em um campeonato e que a quinta colocada de 2014, a McLaren, anotou 181 tentos no último ano. Mas, na visão do projetista James Key, “não há nada de errado em ser ambicioso”. 

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO.
61 => 62

O cancelamento da primeira corrida da Indy em Brasília a 38 dias de sua realização gerou um rebuliço para a organização da categoria a ponto de fazê-la agir por conta própria – isto é, sem a Bandeirantes, promotora da prova. Um dia depois do anúncio capital, representantes da cúpula da Indy visitaram o autódromo de Goiânia para averiguar a possibilidade de manter a operação em solo brasileiro, apurou o GRANDE PRÊMIO.
 
A comitiva continha dois diretores do campeonato com base em Indianápolis e esteve na tarde desta sexta-feira na pista da capital de Goiás, a única no Brasil que tem condições de receber uma etapa do porte da Indy. Recém-reformada, tornou-se centro das atenções e referência do sofredor automobilismo nacional. É lá, por exemplo, que a Stock Car passou a realizar sua Corrida do Milhão. Outro ponto favorável é a distância para Brasília, pouco mais de 200 km, o que minimizaria o problema com toda a logística da operação.

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO.