F1

No fim do grid após batida, Hamilton mantém otimismo no Brasil: “Pego o que acontece de negativo e cresço”

Lewis Hamilton vai largar no fim do grid após bater no Q1 do treino classificatório em Interlagos. É uma decepção, mas nada que abale Hamilton: o tetracampeão da Mercedes fala em “encarar o desafio” no GP do Brasil

Warm Up, de Interlagos / GABRIEL CURTY, de Interlagos / VITOR FAZIO, de Interlagos
O treino classificatório de Lewis Hamilton foi curto, mas teve tempo suficiente para ser bem frustrante. O piloto britânico sofreu um acidente na curva do Laranjinha logo na primeira tentativa de volta rápida. Mesmo frustrado, Lewis olhando pelo lado positivo e “encara o desafio” que será largar no fim do grid.
 
"Eu estou bem, mas tudo aconteceu bem rápido”, recordou. “Aconteceu, essas coisas acontecem, mas é uma pena. Eu costumo olhar sempre para o que está vindo e encarar os desafios que a minha vida me proporciona. É isso que me faz seguir em frente", disse em entrevista após a eliminação já no Q1.
Favorito à pole, Hamilton bateu antes de abrir sua volta rápida em Interlagos (Foto: Reprodução)
Com o acidente, Hamilton larga em último no GP do Brasil. Outros pilotos vão perder posições por trocar peças do carro, mas Lewis não pode tirar proveito disso por não conseguir uma única volta rápida na sessão classificatória.
 
“Eu procuro sempre pegar tudo que de negativo me acontece e crescer em cima disso. É o que eu faço para aprender, melhorar e seguir em frente”, indicou. É muito útil para mim, eu preciso entender que somos todos humanos e isso acontece com todo mundo. Vou dar meu máximo amanhã. Alguns anos atrás saí lá do fim do grid e fiz uma grande corrida", encerrou.

GRANDE PRÊMIO e o MSN Esportes acompanham 'in loco' o GP do Brasil com Flavio Gomes, Victor Martins, Evelyn Guimarães, Fernando Silva, Gabriel Curty, Pedro Henrique Marum, Vitor Fazio, Américo Teixeira Jr. e Rodrigo Berton direto de Interlagos. Acompanhe a cobertura aqui e todos os detalhes AO VIVO e em TEMPO REAL aqui.

GERAÇÃO PRIVILEGIADA

F1 TEM ÓTIMA CLASSE EM 2017. E É BOM DEMAIS VÊ-LA EM AÇÃO