carregando
F1

Horner destaca fim de semana “muito difícil para Renault” e diz que motor pode ter causado quebra de câmbio de Kvyat

O chefe da Red Bull, Christian Horner, disse que a equipe ainda não sabe o que causou a quebra de câmbio que impediu a largada de Daniil Kvyat no GP da Austrália deste domingo (15) e falou que a culpa pode ser de problema no motor Renault

Warm Up / Redação GP, do Rio de Janeiro
A insatisfação da Red Bull com a Renault tem novos capítulos com uma frequência bastante grande. A mais nova delas dá conta de que o time acredita que o problema na caixa de câmbio que impediu a largada de Daniil Kvyat no GP da Austrália deste domingo (15) tenha sido causado por trepidações do motor da fornecedora francesa.
 
Segundo o chefe da equipe austríaca, Christian Horner, a quebra da quinta marcha do câmbio de Kvyat não teve motivo aparente e a equipe não conseguiu definir a causa. Disse, depois, que a Renault viveu dias difíceis na Austrália.
Daniil Kvyat para na pista na volta de saída dos pits em Melbourne (Foto: Reprodução TV)
"No carro de Daniil parece um problema de câmbio. Ele quebrou a quinta marcha. Não sabemos o motivo, talvez tenha algo a ver com as oscilações do motor que notamos", disse.
 
"Foi um fim de semana muito difícil para a Renault. O motor é meio incontrolável. Você pode ver e ouvir isso dos comentários que os pilotos estão fazendo", seguiu. 
 
Sobre Daniel Ricciardo, que teve de trocar uma parte da unidade de força na sexta-feira, Horner destacou a dificuldade que o piloto teve de controlar o motor ao guiar.
 
"A evidência mais clara é a largada. Daniel fez um início de largada bem razoável, então entra a controlabilidade do motor e você vê os buracos na entrega da força, então há muito a ser feito", analisou.
 
Já Kvyat, que terá de esperar mais duas semanas para estrear na Red Bull, se mostrou mais otimista.
 
"Obviamente não é legal assistir os outros pilotos na pista enquanto você está aqui. De agora em diante, as coisas só podem melhorar, então vamos permanecer positivos. Tenho confiança na equipe. Temos outra corrida em duas semanas e estaremos forçando como pudermos", concluiu.