F1

Horner acalma rumores sobre quebra de contrato e reconhece que Renault é a melhor chance da Red Bull: “E vice-versa”

Chefe da Red Bull, Christian Horner acalmou os rumores sobre uma eventual quebra de contrato e afirmou que o time dos energéticos tem sua melhor chance na F1 em parceria com a Renault. Lembrado sobre a demora da Williams para superar uma má fase, dirigente garantiu que a escuderia rubro-taurina não vai levar dez anos para voltar a brigar pelo título

Warm Up / Redação GP, de São Paulo
A Red Bull não teve um ano exatamente fácil em 2014, mas as coisas pioraram bastante nesta temporada. Passadas as quatro primeiras provas de 2015, o time dos energéticos tem o quarto posto no Mundial de Construtores, 136 pontos atrás da líder Mercedes.
 
Apesar de o motor ser mais frequentemente apontado como culpado pela má fase, a Red Bull passou por grandes mudanças neste ano, sendo as maiores a saída de Sebastian Vettel e o afastamento de Adrian Newey da F1. Mesmo assim, Christian Horner mostrou em entrevista ao site oficial do Mundial que acredita que o time tem todos os recursos necessários para dar a volta por cima.
Chefe da Red Bull avaliou que a Renault é a melhor chance da Red Bull na F1 (Foto: Getty Images)
Questionado sobre o que a Red Bull faria para se reinventar após esse período atípico e a partida de Vettel, o chefe do time avaliou que um bom carro daria conta de recuperar a equipe e lembrou que Daniel Ricciardo mostrou em 2014 que tem condições de assumir o posto do germânico.
 
“Um carro rápido vai fazer tudo isso. Um carro rápido vai sanar todos esses problemas — e também devemos lembrar que Daniel venceu todas as nossas corridas no ano passado!”, lembrou.
 
Mesmo admitindo que tudo que a Red Bull precisa é um carro rápido, Horner se limitou a dizer que um bólido melhor chegará “o mais rápido possível” e, ao ser pressionado por uma data, respondeu: “Não tenho ideia”.
 
O dirigente, então, foi lembrado sobre a má fase da Williams, que precisou de quase uma década para voltar a brigar pelo pódio da F1.
 
“Garanto que não vai levar dez anos! A Red Bull está no esporte há cerca de 20 anos: primeiro como patrocinadora, depois como acionista e aí como dona de equipe. Dietrich Mateschitz investiu mais na F1 nos últimos 20 anos do que provavelmente qualquer outro time ou companhia no esporte”, defendeu.
 
Insatisfeito com os resultados, o empresário austríaco deu um ultimato à Renault recentemente e avisou que, ou a fábrica francesa dá um jeito de ter um motor competitivo ou a Red Bull deixará o esporte.
 
“Dietrich não fala em público frequentemente, mas, quando fala, nós temos que ouvir”, comentou Horner. “A mensagem que ele estava transmitindo era: a Renault deve fazer o trabalho corretamente ou não fazer. Você não pode ficar meio grávida”, explicou.
 
Por fim, apesar das muitas ameaças e das dificuldades enfrentadas em 2015, Christian reconheceu que a Renault, com quem tem contrato até o próximo ano, ainda é a melhor opção para a Red Bull.
 
“Nós temos contrato com a Renault para 2015 e 2016 e é do interesse da Renault tanto quanto do nosso resolver esses problemas o mais rápido possível”, falou. “Na realidade, nossa melhor chance é com a Renault e vice-versa. Nós vencemos 50 GPs e oito mundiais juntos, então as vezes a frustração ferve”, concluiu.