F1

Hamilton declara guerra a Rosberg e vê relação como McLaren no fim dos anos 80: “Gosto do jeito como Senna lidou”

Após incidente de Nico Rosberg impedir que Lewis Hamilton fizesse a pole-position em Mônaco, britânico declara guerra na Mercedes

Warm Up, de Monte Carlo / Redação GP, do Rio de Janeiro
 
Perguntado se agora sua relação com Rosberg será mais parecida com a de Ayrton Senna e Alain Prost, Hamilton replicou: "Basicamente". As comparações já haviam sido feitas pela forma como as Mercedes dominam o campeonato muito à frente das outras equipes, do mesmo jeito que a McLaren/Honda quando tinha a dupla como seus pilotos.
Lewis Hamilton em Mônaco: larga em segundo e declara guerra (Foto: Mercedes)
"Não sei se Senna e Prost sentaram para conversar. Gosto do jeito como o Senna lidou com isso, então, acho que vou me basear nessa página de seu livro", disse.
 
A frase de Lewis Hamilton certamente soa como uma declaração de guerra civil na Mercedes. Rosberg ainda está sendo investigado pelos comissários, e pode ser punido. A equipe adiou a coletiva de imprensa que normalmente organiza após as classificações, com o diretor-executivo Toto Wolff e os dois pilotos, até que saia a decisão dos comissários, mas já avisou que nem Lewis, nem Nico vão participar porque "precisam comparecer à eventos".
 
O GP de Mônaco é a sexta edição da temporada 2014, e começa neste domingo às 9h (de Brasília), com as flechas prateadas dividindo a primeira fila.

GRANDE PRÊMIO cobre 'in loco' o GP de Mônaco, sexta etapa do Mundial de F1, com o repórter Renan do Couto. Para acompanhar todo o noticiário, clique aqui.