carregando
F1

Grosjean espera colher em Hockenheim frutos de esforço da Lotus para melhorar em curvas de baixa: “Será bom teste”

A Lotus não sabe o que é pontuar desde o GP de Mônaco. De volta a uma pista onde a velocidade final não é tão importante, Romain Grosjean espera voltar a ver o time fazendo progresso

Warm Up / Redação GP, de São Paulo
Nove corridas, oito pontos somados. Não é nada boa a média de Romain Grosjean na temporada 2014, mas o francês, que vem de um 12º lugar no GP da Inglaterra, acredita que a Lotus pode voltar a apresentar um rendimento superior no próximo fim de semana, quando a F1 estiver em Hockenheim para o GP da Alemanha.

O francês foi o oitavo colocado nos GPs da Espanha e de Mônaco e quer avaliar na décima etapa do campeonato quanto progresso a Lotus fez no que diz respeito às curvas de baixa velocidade. Como esse tipo de curva predomina no Hockenheimring, ele espera conseguir andar novamente entre os dez melhores.

“Trabalhamos duro para melhorar a performance nas curvas de baixa, então Hockenheim será um bom teste para ver quanto nós melhoramos. Fora a reta que tem antes do hairpin, não há retas de verdade, então a ênfase nas unidades de força vai ficar mais na aceleração do que na velocidade final”, comentou o piloto.
Romain Grosjean espera ver a Lotus um pouco melhor em Hockenheim (Foto: Getty Images)
Grosjean foi ao pódio na última edição do GP da Alemanha, mas a prova aconteceu em Nürburgring. Em Hockenheim, em 2012, ele não teve a mesma felicidade. “Minha única corrida em Hockenheim foi uma para esquecer. Uma punição no grid de largada e danos no carro logo no começo”, lembrou.

Mas ele gosta do autódromo e do seu desenho, mesmo que não tenha mais o charme que tinha até 2001. “Não tenho nada contra a pista. Uma das minhas primeiras corridas de monopostos foi em Hockenheim em 2003 e corri lá em várias outras categorias. O layout mais curto pode não ter a mesma cara do original, mas normalmente permite várias ultrapassagens e a atmosfera do estádio é incrível. É outra pista em que os fãs são absolutamente brilhantes e mostram seu apreço pelo esporte”, disse.

Na contramão do companheiro de equipe, Pastor Maldonado guarda melhores recordações de Hockenheim, tendo inclusive vencido no circuito enquanto competia na GP2. “É um circuito divertido. Vencer lá na GP2 foi ótimo. Liderei do começo ao fim exceto por uma volta e foi no ano em que fui campeão, então foi uma boa experiência durante a temporada”, falou Pastor.

O venezuelano apontou o trecho final da volta como essencial na busca por bons tempos na classificação e, claro, por um bom ritmo na corrida. “O último setor é desafiador, com muitas curvas em sequência, então aquela é uma área onde tempo pode ser facilmente ganho ou perdido. Acerte e você vai carregar velocidade para a curva seguinte, mas um pequeno erro em uma delas pode significar que você também vai perder na próxima”, completou.

Maldonado ainda não pontuou em 2014.
Maldonado não teve grande corrida em Silverstone e ainda voou após ser acertado por Gutiérrez (Foto: Getty Images)