carregando
F1

F1 vai voltar às pistas no meio do ano “se o mundo permitir”, diz CEO da McLaren

Zak Brown, diretor-executivo da escuderia de Woking, disse que a saúde, dos fãs e dos funcionários, é muito mais importante que a realização de uma corrida, “que pode ser realizada em outro momento”. O norte-americano espera que a F1 comece a temporada 2020 no verão europeu, mas entende que a situação é incerta em razão da pandemia do novo coronavírus

Grande Prêmio / Redação GP, de Sumaré
COMO SE PREVENIR DO CORONAVÍRUS:
 
☞ Lave as mãos com água e sabão ou use álcool em gel.
☞ Cubra o nariz e boca ao espirrar ou tossir.
☞ Evite aglomerações se estiver doente.
☞ Mantenha os ambientes bem ventilados.
☞ Não compartilhe objetos pessoais.

O desejo do Liberty Media, empresa dona da F1, é de realizar a temporada 2020 com 15 a 18 corridas e abrir o campeonato no verão europeu, ou seja, a partir da segunda quinzena de junho. Zak Brown, CEO da McLaren, torce para que tal previsão se concretize, mas lembra que a categoria só vai voltar à ativa “se o mundo permitir”, fazendo menção à incerteza que povoa o planeta em relação à duração e a extensão dos estragos causados pela pandemia do novo coronavírus.
 
Em vídeo publicado na página da McLaren, o dirigente norte-americano reforçou a importância da saúde em primeiro lugar, de forma que pensar em corridas, ainda que veja como importante em razão dos negócios da equipe, fica em segundo plano neste momento.
Zak Brown espera que tudo volte ao normal. Mas não sabe quando (Foto: F1)
“Queria aproveitar esta oportunidade para contar a vocês o que está acontecendo na McLaren, na F1 e na Indy, neste nono dia de quarentena. Estamos de volta da Austrália, que foi uma situação muito decepcionante para todos, sobretudo em termos de saúde para nossa equipe, para os fãs e todos os que torcem por nós. Isso é muito mais importante que uma corrida, que pode ser realizada em outro momento”, explicou o executivo.
 
Sobre a esperança de ver a F1 de volta às pistas em 2020, Brown é realista e entende que, no atual cenário, é impossível prever um retorno neste momento.
 
“A FIA e a F1 estão trabalhando arduamente para encontrar um lugar seguro para começar a correr e recuperar o máximo possível o número de corridas do calendário de 2020. Se o mundo permitir, a temporada vai começar no verão e, se começarmos no verão, ainda vai faltar muita temporada, de modo que esperamos que seja possível recuperar muitas das corridas adiadas”, declarou.
 
“Todos nós sentimos falta de correr e, quando voltarmos, vamos aproveitar muito mais. O mais importante, neste momento, é a segurança de todos vocês e também de nós, também das nossas equipes da F1 e da Indy. Neste tipo de situação, é sempre complicado proteger sua equipe e também proteger seu negócio”, lembrou Brown.
 
O dirigente completou sua fala ao ressaltar a importância dos eSports como forma de entreter pilotos e os fãs mais jovens da F1 neste período de quarentena do esporte. No fim, Zak Brown transmitiu uma mensagem de otimismo.
 
“Neste momento, os eSports ganharam muita popularidade e empolgam muitos fãs da F1. Nós não vamos deixar de lado nossa atividade nas redes sociais e vamos seguir comunicando com vocês. Agora, o mais importante é que todos possamos nos manter sãos. Vamos superar tudo isso juntos”, finalizou.
Paddockast #53
TÉO JOSÉ - O HOMEM QUE 'NÃO PERDE MAIS'


Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.