F1

Em primeira aparição após acidente, De Villota revela ter perdido olho direito, olfato e paladar

Após ter sofrido um grave acidente em um treino pela Marussia, no mês de julho, María de Villota convocou uma entrevista coletiva onde contou todos os danos causados pela batida. Além disso, a espanhola ainda vai precisar passar por novas operações

Warm Up / Redação GP, de São Paulo

Esta quinta-feira (11) marcou um novo passo na vida de María de Villota. Depois de sofrer um gravíssimo acidente no mês de julho, enquanto testava o carro da Marussia em um aeroporto, a espanhola fez a primeira aparição pública. Usando um tapa-olho combinando com a cor da roupa, a ex-pilota convocou uma coletiva de imprensa, na Espanha, onde revelou ter perdido o olho direito, além do olfato e do paladar por causa da batida. Fora isso, De Villota ainda perdeu uma parte do crânio e precisará passar por novas cirurgias.

Na entrevista, María detalhou tudo o que se recorda desde que foi levada ao hospital. A espanhola disse que a primeira lembrança que tem é de um médico ter entrado no quarto onde estava e revelado que ela tinha sofrido um acidente muito grave, mas sobrevivido. No entanto, a batida havia lhe custado um olho.

María de Villota concedeu uma entrevista coletiva após o acidente (Foto: Divulgação)

“Um dos cirurgiões que me operou apareceu e disse: ‘Maria, nós salvamos a sua vida. Eu não sei se você se lembra, mas você teve um grande acidente, mas está aqui conosco. Foi difícil, mas nós estamos felizes porque salvamos a sua vida. Mas eu preciso dizer que você perdeu seu olho’”, contou.

Quando soube da notícia, De Villota admitiu que não quis aceitar a verdade. “Nesse momento, eu perguntei ao cirurgião se ele precisava das duas mãos para operar. Ele confirmou, então eu disse: ‘Bom, eu sou uma pilota da F1 e preciso dos dois olhos para dirigir. Depois eu disse a aquele pobre homem que era minha decisão remover o olho, como se ele tivesse escolha de fazer outra coisa”, disse.

Apesar do choque inicial, María disse que aos poucos conseguiu entender sua situação e percebeu que o acidente e a perda do olho não significavam o fim da carreira na F1, mas uma segunda chance de viver.

“Então foi possível perceber algo inédito, que eu estava me sentindo bem e podia ver mais do que antes do acidente. Porque antes, eu só enxergava a F1, dentro de um carro e competindo, eu não via como a vida é realmente importante. Naquele momento, eu não estava contente com o mais importante, que era a pessoa que tinha me salvado”, afirmou.

“Então este olho me fez encontrar o caminho certo novamente, e eu estou vendo dessa maneira. Essa é uma nova oportunidade e eu vou viver a vida 100%”, completou.

Ilustração mostra a gravidade da lesão sofrida por María (Foto: Divulgação/Twitter Pablo Elizalde)

A espanhola revelou, ainda, que a primeira coisa que sentiu após o acidente foi uma ferida profunda no ego e na vaidade, mas que conseguiu cicatrizar devido ao apoio dos amigos e parentes. “Quando eu me vi dessa maneira, eu pensei: ‘quem vai me amar com essa minha nova aparência?', mas então percebi que as pessoas tinham mais compaixão por mim que em toda a minha vida. Eu tive amor o suficiente para cobrir essa vida e a próxima”, falou.

María, por fim, disse que planeja seguir envolvida no automobilismo de alguma forma – sua família é dona de equipe –, mas afirmou que primeiro quer estar totalmente recuperada do acidente. “Eu estou focada nas operações que ainda faltam e quero estar 100% pronta, então ainda não sei o que vou fazer”, encerrou.

O acidente de María de Villota aconteceu no início do mês de julho, quando testava pela Marussia no aeroporto de Duxford, na Inglaterra. Na ocasião, a espanhola perdeu o controle do carro quando retornava à área de boxes e acabou acertando um trailer da equipe, que estava com a rampa de acesso abaixada. A rampa perfurou o crânio da pilota, acertando o olho.