F1

Em pior temporada desde estreia, Alonso é batido pela primeira vez por companheiro de equipe na F1

Terminar em antepenúltimo no GP de Abu Dhabi dentre os carros que cruzaram a linha de chegada, só à frente de Will Stevens e Roberto Merhi, da nanica Manor Marussia, apenas reflete o quão horrível foi 2015 para Fernando Alonso. Em fato jamais acontecido antes, o espanhol foi superado nos pontos por um companheiro de equipe: no caso, Jenson Button

Warm Up / FERNANDO SILVA, de Sumaré

Enquanto se debate se Fernando Alonso tem ou não a intenção de tirar 2016 como um ano sabático na sua carreira, o fato é que, na prática, 2015 foi um ano para ser esquecido da carreira do bicampeão do mundo, cantado em verso e prosa até os dias de hoje como um dos pilotos mais completos do grid atual da F1. Contratado a peso de ouro para ser o líder do novo projeto da nova parceria entre McLaren e Honda, Alonso termina um ano marcado por ironia, reclamações, mas resultados escassos na pista. A ponto de confirmar neste domingo (29, no GP de Abu Dhabi, uma marca negativamente histórica: pela primeira vez em sua carreira, Fernando foi superado nos pontos por um companheiro de equipe.
 
Claro que não é demérito algum ser batido por um piloto do quilate de Jenson Button, que é o mais experiente da F1 atual. No mesmo período em que Alonso correu pela McLaren, entre 2010 e 2014, o britânico construía uma sólida reputação em Woking, sede de um dos times mais vencedores da F1, e na prática correu de igual para igual com o badalado companheiro de equipe. 
Neste domingo, Alonso terminou a pior temporada da sua carreira desde a estreia na F1 (Foto: Getty Images)
Ao fim de 19 corridas disputadas em 2015, Fernando somou apenas 11 pontos e terminou em 17º lugar no Mundial de Construtores, uma posição abaixo em relação ao companheiro de equipe, que acumulou 16. O melhor resultado de Alonso em 2015 foi o quinto lugar num acidentado e maluco GP da Hungria. Foi a última vez — a outra foi no GP da Inglaterra, anterior a Budapeste, quando finalizou em décimo — que o espanhol chegou entre os dez primeiros no campeonato.
 
No seu ano de estreia na F1, em 2001, Alonso correu pela Minardi e zerou nos pontos, assim como seus companheiros de equipe Tarso Marques e Alex Yoong. Em 2003, quando voltou ao grid depois de um ano como piloto de testes da Renault, o espanhol terminou em sexto, duas posições à frente do seu companheiro de equipe na época, Jarno Trulli. No ano seguinte, as colocações foram um pouco melhores para ambos, com Fernando em quarto, duas posições à frente do italiano.
Button teve um ano igualmente ruim, mas ligeiramente superior ao de Alonso (Foto: Getty Images)
Os anos de ouro do asturiano, hoje com 34 anos, foram em 2005 e 2006, quando o piloto conquistou o bicampeonato mundial. Aí, em um cenário muito semelhante ao desta temporada, Fernando foi contratado pela McLaren, tendo como companheiro de equipe o então novato Lewis Hamilton. Foi uma temporada explosiva para ambos, que travaram a rivalidade mais efervescente da F1 nos últimos tempos. Ao fim daquele ano, depois de uma decisão inacreditável no Brasil, o título caiu no colo de Kimi Räikkönen, da Ferrari, enquanto Alonso e Hamilton empataram em pontos, com 107.
 
De volta à Renault em 2008, Fernando passou a ter como companheiro de equipe o brasileiro Nelsinho Piquet e não deu chances ao novato brasileiro, terminando em quinto lugar no campeonato, contra 12º do filho do lendário tricampeão. Já em 2009, Alonso finalizou à frente de Piquet, que depois foi substituído na Renault pelo também novato Romain Grosjean.
Hamilton foi o único a igualar Alonso numa temporada da F1. Até Button superá-lo em 2015 (Foto: AP)
A temporada 2010 marcou a entrada de Alonso na maior equipe da F1, a Ferrari. O espanhol falhou em sua tentativa de levar o time de Maranello ao topo do esporte nas cinco temporadas em que esteve no time, mas sempre ficou à frente dos seus companheiros de equipe: entre 2010 e 2013, quando dividiu os boxes com o brasileiro Felipe Massa, Fernando não chegou a ser ameaçado pelo parceiro, hoje na Williams. No ano passado, o espanhol finalizou em sétimo, cinco posições à frente do finlandês Kimi Räikkönen.
 
A corrida que marcou o fim da temporada 2015, neste domingo, em Abu Dhabi, foi meio que um reflexo da péssima temporada de Alonso. O piloto se envolveu em um incidente logo na largada, causando a batida de Pastor Maldonado. Punido com um drive-through, o bicampeão do mundo se arrastou na pista e pouco fez, chegando até mesmo a falar via rádio que preferia abandonar se não aparecesse algum safety-car que pudesse lhe ajudar a chegar aos pontos. Não veio o safety-car, e Fernando terminou a corrida em antepenúltimo dentre os que terminaram a prova, só à frente de Will Stevens e Roberto Merhi, da nanica Manor Marussia.
 

A que ponto chegamos: F-E cria Roborace, categoria em que os carros NÃO SÃO guiados por pilotosQue acham disso?...

Posted by Grande Prêmio on Sexta, 27 de novembro de 2015
PADDOCK GP EDIÇÃO #8: ASSISTA JÁ