carregando
F1

Diretor da Lotus minimiza abandonos na primeira volta na Austrália e deixa claro objetivo para próximas corridas: pontos

Federico Gastaldi elogiou o trabalho da Lotus e apontou uma série de melhorias que a equipe já apresentou na Austrália, ainda que tenha visto os dois carros abandonarem na primeira volta. Para as próximas etapas, o objetivo da Lotus é seguir evoluindo e pontuar com frequência

Warm Up / Redação GP, de São Paulo
O abandono dos dois carros na primeira volta do GP da Austrália não desanimou a Lotus. O diretor-adjunto Federico Gastaldi afirmou que a equipe já demonstrou evolução na abertura da temporada e que o objetivo para as próximas provas é claro: pontuar com frequência.
 
Para Gastaldi, a Lotus precisa manter o ritmo que apresentou em Melbourne. Para o diretor, os abandonos de Romain Grosjean – problemas técnicos – e Pastor Maldonado – acidente – na primeira volta não evitaram que o time visse que tinha um bom ritmo de corrida.
 
“Nós precisamos seguir o que já apresentamos na corrida da Austrália. Sim, nossa corrida foi bem curta lá, mas nós já demonstramos que demos o primeiro passo em 2015 e brigamos bem na classificação, ficamos entre os dez mais rápidos e o ritmo de corrida também era promissor”, disse.
 
Para Gastaldi, manter o progresso da equipe e pontuar bem são objetivos possíveis de serem alcançados pela Lotus no GP da Malásia.
 
“Não dá para afirmar que a pista de Sepang não combina com o nosso carro. Então temos de continuar progredindo e vamos atrás do que queremos: pontos. Melhorar o que tivemos na Austrália e ver os dois carros recebendo a bandeirada com bons pontos na bagagem. É esse o objetivo”, explicou.
Romain Grosjean e Pastor Maldonado mostraram que a Lotus conseguiu evoluir (Foto: Xavi Bonilla/Grande Prêmio)
O diretor concluiu afirmando que o trabalho da Lotus está sendo duro para que o time supere as demais equipes que têm o mesmo objetivo na temporada.
 
“Nós sabemos que este é o objetivo de várias equipes, mas nós estamos trabalhando muito duro em Enstone para que a gente consiga cumprir a meta de pontuar frequentemente”, completou.
 
A Lotus teve uma temporada 2014 muito ruim. Após brigar por pódios em 2013, a equipe de Enstone ficou apenas na oitava colocação no Mundial de Construtores.