carregando
F1

Com problemas de motor, chassi, ego e mentalidade, McLaren quer “cobrir merda com purpurina”

A crise chegou de vez à McLaren depois de mais um resultado desastroso na temporada. No último domingo (7), depois de mais um fracasso da equipe, que viu Fernando Alonso e Jenson Button abandonarem o GP do Canadá, o diário espanhol ‘El País’ informa que há um grande racha dentro do time devido ao ego: “Nós acreditamos que somos os melhores, mas já não somos”, disse um membro do time, sob condição de anonimato, ao jornal

Warm Up / Redação GP, de Sumaré

“É impossível limpar merda, o que se pode fazer é cobri-la com purpurina”. É desta forma que um membro da McLaren, sob condição de anonimato, descreveu ao jornal espanhol ‘El País’ a atual situação da equipe no Mundial de F1. Dona de nada menos que 20 títulos mundiais de F1, sendo 12 de Pilotos e outros oito no Mundial e Construtores, a laureada equipe de Woking enfrenta a fase mais difícil da sua história e se mostra perdida depois de mais um fracasso em 2015. O ano que deveria marcar a retomada de uma parceria vitoriosa com a Honda vem se mostrando desastroso até o momento. Em sete corridas na temporada, apenas Jenson Button pontuou graças ao oitavo lugar no GP de Mônaco. Contratado a peso de ouro, Fernando Alonso regressou ao time para liderar o projeto McLaren-Honda na pista, mas até o momento segue zerado no campeonato, assim como a dupla da nanica Manor Marussia.

O fim de semana do GP do Canadá representou outro duro revés para a McLaren, que teve uma jornada desastrosa em Montreal. Button sequer participou do treino classificatório devido a problemas na unidade de força produzida pela Honda e foi punido por usar o quinto motor na temporada. O britânico, que conquistou uma das maiores vitórias da sua vida no Circuito Gilles Villeneuve, em 2011, abandonou, assim como Alonso, não antes de o espanhol discutir com a equipe e deixar evidente que a crise está às portas de  Woking graças à falta de resultados e performance.

A dois passos do abismo, o discurso oficial segue ameno. No título do comunicado oficial publicado pela McLaren à imprensa depois do GP do Canadá, a equipe disse que “estamos aprendendo lições importantes a cada fim de semana, e gradualmente vamos colocar as coisas no rumo certo”. Porém, o cenário evidencia um racha, revelado por outro membro da McLaren ao ‘El País’.
Depois de mais um fracasso em 2015, a crise chega de vez à McLaren Honda (Foto: AP)
“Temos um grave problema de ego. Nós acreditamos que seguimos sendo os melhores, mas isso já é passado. Basta ver os últimos campeonatos para que nos demos conta de onde nós estamos. Todo mundo está à volta com as dores de cabeça que a unidade de potência nos está causando, mas eu colocaria isso em 60%. Os outros 40% são do chassi”, comentou a fonte, corroborando a afirmação de Alonso antes do GP do Canadá e também do diretor de corridas Éric Boullier, que disse que é preciso melhorar “tudo” no MP4-30.

Recentemente, Yasuhisa Arai, chefe de esportes a motor da Honda, estabeleceu uma meta pra lá de ousada ao dizer que a McLaren lutaria pelo pódio no GP da Inglaterra, corrida em casa para a escuderia, devido às melhorias que a montadora japonesa planeja para sua unidade de força. Contudo, restando menos de um mês para a corrida em Silverstone, não há qualquer sinal que possa indicar que o MP4-30 tenha condições sequer de brigar em igualdade de condições com os outros times intermediários da F1, como Toro Rosso, Force India e Lotus.

Outra fonte ligada à McLaren relatou ainda que a equipe deixou de pensar grande. “A mentalidade mudou, não há ninguém mais que pense grande. Dentro do grupo, há muita instabilidade devido à luta entre Ron Dennis e o resto dos acionistas (Mansour Ojeh e o governo do Bahrein)”.

Mesmo diante de um cenário desanimador, a McLaren evita, ao menos publicamente, repetir o que fez a Red Bull com a Renault e entrar em guerra contra a Honda. Alonso não esconde mais a falta de paciência e até fez graça por ter finalizado o GP do Canadá em “primeiro lugar de trás para frente”. Resta saber se até o GP da Áustria, que será realizado dentro de duas semanas, haverá tempo para esfriar os ânimos antes da tão esperada reação, que se mostra cada vez mais distante.
VIU ESSA? CARRO DESCE LADEIRA SOZINHO NA F4 ALEMÃ E ACERTA OUTRO