carregando
F1

Com “pilotos experientes”, Alpha Tauri define meta para 2020: terminar no top-5

Novo nome da Toro Rosso a partir de 2020, a Alpha Tauri abre o novo ano com pretensões ousadas. Com Pierre Gasly e Daniil Kvyat, Franz Tost acredita que vai ser possível bater a Renault para terminar o Mundial de Construtores entre os cinco primeiros colocados. O dirigente austríaco creditou o bom 2019, marcado por dois pódios, aos pilotos e também à parceria tecnológica com a Red Bull

Grande Prêmio / Redação GP, de Sumaré
A temporada 2019 foi a melhor para a Toro Rosso desde 2008, quando alcançou uma improvável vitória com Sebastian Vettel no GP da Itália. Com Daniil Kvyat no GP da Alemanha e Pierre Gasly no GP do Brasil, a escuderia de Faenza marcou dois pódios e finalizou o Mundial de Construtores na sexta posição, igualando o resultado de 11 anos atrás. Foi a última temporada da Toro Rosso com este nome, já que 2020 o time passa a se chamar Alpha Tauri. Novo nome e novas ambições.
 
Franz Tost, chefe da equipe italiana, chega para a nova temporada empolgado e com esperanças de que 2020 seja o melhor ano do time. Com Gasly e Kvyat e o fortalecimento da parceria tecnológica com a Red Bull, o objetivo da escuderia é alcançar uma colocação inédita.
 
“Nunca tivemos pilotos tão experientes, e agora vai depender do quão competitivo o carro vai ser. Espero que nós possamos dar um passo à frente, e então a meta é bastante clara: temos de melhorar nossa performance e temos de terminar no top-5 o Mundial de Construtores”, disse o dirigente austríaco em entrevista à revista ‘Racer’.
A Toro Rosso fez sua melhor temporada desde 2008 (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
Tost entende que a Renault vai ser a principal concorrente da Alpha Tauri pelo top-5 em 2020. “Espero [a Renault em nosso alcance]. Depende agora de quem construir um melhor carro. Quem fizer mais progresso com o novo carro e quem se desenvolver da melhor forma durante a temporada. E eu espero que seja a Alpha Tauri”, complementou.
 
O dirigente ressaltou os vários aspectos da evolução da equipe na temporada passada. “Melhoramos muito na comparação com 2018 todas e várias áreas distintas. Estivemos muito melhor na questão da aerodinâmica, mas também na parte mecânica graças à Red Bull Technology porque tivemos a suspensão do carro, dianteira e traseira, o câmbio deles, o sistema hidráulico deles, o que nos ajudou muito”.
 
“Isso também ajudou em confiabilidade, porque acho que estivemos em segundo nesses termos. Também fizemos um bom progresso com a performance, que veio com algumas novas soluções que melhoraram a performance do carro. Tivemos um melhor entendimento de como lidar com os pneus, de como gerenciar os pneus, e a equipe deu alguns bons passos em frente”, salientou Tost, feliz com o crescimento da performance como um todo.
 
“Tivemos alguns pit-stops bem competitivos também, ao passo em que tivemos alguns altos e baixos sobre os quais temos de melhorar. E tivemos ao menos três bons pilotos”, acrescentou o austríaco, fazendo menção também a Alexander Albon, que defendeu o time no primeiro semestre.
 
“Se você trabalha junto com um parceiro, com o tempo você obtém uma melhor compreensão dos dois lados. Espero que nós tenhamos uma boa cooperação neste ano e que a equipe possa dar outro passo em frente graças à Red Bull Technology”, concluiu.

Paddockast #46
OS 10 MELHORES PILOTOS DA DÉCADA


Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.