carregando
F1

Chefe da Sauber se diz “positivamente surpresa” com aumento de potência da unidade de força da Ferrari

A chefona da Sauber, Monisha Kaltenborn, elogiou o trabalho “realmente impressionante”que a Ferrari realizou para melhorar o motor para a temporada 2015. Monisha contou ter sido pega de surpresa com as mudanças

Warm Up / Redação GP, do Rio de Janeiro
Saindo do olho do furacão em que se viu na semana de abertura da temporada com o caso Giedo van der Garde, agora as respostas que Monisha Kaltenborn tem de dar são bem mais agradáveis a ela. A Sauber impressionou na Austrália, e Monisha elogiou o trabalho da Ferrari nessa evolução. Segundo ela, a melhora da unidade de força ferrarista chega a ser surpreendente.
 
Monisha, aliás, se disse "positivamente surpresa" com o crescimento apresentado pelo motor Ferrari de 2014 para 2015. E ressaltou que os carros precisam de boas unidades de força para irem a algum lugar na classificação. Em 2014, a Sauber não conseguiu sequer marcar pontos.
 
"Tem sido uma melhora muito grande. Eles fizeram um trabalho realmente impressionante, e eu estou positivamente surpresa. Você precisa desse tipo de unidade de força, nunca é apenas o carro. Tem que ser o pacote certo", disse.
 
"O grande avanço te permite estar numa posição de marcar pontos e realmente aproveitar as oportunidades, porque estávamos muito longe. É a grande diferença em relação ao ano passado. Estar numa posição muito melhor por conta de suas próprias forças, significa que podemos aproveitar as chances que aparecem", seguiu.
"Melhorou assim, ó" (Foto: Sauber)
Ainda com dificuldades financeiras, a Sauber quer atrair patrocinadores e dinheiro. Mas Monisha afirmou que mesmo num ano de bons resultados, como foi 2012, por exemplo, não são apenas boas corridas que fazem os patrocinadores em potencial formarem filas nos portões da equipe.
 
"Se olharmos 2012, tivemos resultados muito bons, mas não significa que na segunda-feira pela manhã eu tinha gente na fábrica tentando nos patrocinar. Infelizmente, não é tão fácil", falou. 
 
"Mas avisa às pessoas que estamos de volta e devemos esquecer ano passado, foi só uma coisa isolada e não vai acontecer de novo. O que dizemos é que queremos melhorar. E vamos; já provamos que queremos passar essa mensagem", encerrou.
 
Com o quinto lugar de Felipe Nasr e o oitavo de Marcus Ericsson após um ano de total negação, provavelmente o ambiente da Sauber é favorável a elogios.