F1

Chefe da Red Bull prevê rivalidade e crê que Hamilton e Vettel nunca serão companheiros de equipe na F1

Christian Horner, chefe da Red Bull, fez uma avaliação sobre um possível duelo entre Sebastian Vettel e Lewis Hamilton na F1 e disse que é impossível vê-los como companheiros de equipe em algum momento no futuro

Warm Up / Redação GP, de Curitiba
Lewis Hamilton e Sebastian Vettel, dois dos principais pilotos da atualidade na F1, nunca serão companheiros de equipe. A opinião é de Christian Horner, o chefe da Red Bull, time com o qual o alemão conquistou quatro campeonatos seguidos no Mundial, entre 2010 e 2013. 
 
A temporada 2016, que começa neste fim de semana com o GP da Austrália, vive uma enorme expectativa de um confronto mais acirrado entre os dois campeões na batalha pelo título. Porém, a ideia de que algum dia ambos possam defender as mesmas cores é totalmente impossível, ainda de acordo com Horner. Para o dirigente, Vettel não aceitaria arriscar sua forte posição e que a porta na Ferrari sempre estará fechada para Hamilton enquanto o tetracampeão vestir vermelho. 
Horner acredito que Vettel e Hamilton nunca vão dividir o mesmo teto na F1 (Foto: Beto Issa)
O chefe da esquadra austríaca conhece muito bem o alemão e também rejeitou Hamilton, quando o inglês estava na McLaren, "desesperado por uma chance" no time dos energéticos no auge do domínio em 2011. "No momento, seria impossível colocar Seb e Lewis na mesma equipe", disse o britânico. "A hora não é correta. Lewis passou a conquistar coisas fenomenais em outro ambiente. Na verdade, Lewis encontrou seu caminho", completou.
 
"Olha, eu ficaria muito surpreso de ver os dois na mesma equipe. Do ponto de vista do time, é muito difícil imaginar esse cenário. Poderia ser muito, muito dividido. Você sempre tem aquele se dá bem e aquele que não."
 
Horner ainda traçou um paralelo com o ambiente vivido na Mercedes e também com a rivalidade que teve de lidar entre Vettel e Mark Webber na Red Bull. "O que vemos da relação de Lewis e Nico é que é muito mais harmoniosa. Vimos apenas um boné ser jogado em dois anos", disse Christian, lembrando o episódio da temporada passada, quando Hamilton jogou o boné do segundo lugar para o colega, logo depois de garantir o tricampeão.
 
"Agora, houve uma intensa rivalidade entre Mark e Seb. Um pouco menos com Seb, porque ele tinha mais domínio, então qualquer coisa que Mark poderia tentar para desestabilizar, ele fazia", completou.
 
VEJA A EDIÇÃO #19 DO PADDOCK GP, QUE ABORDA STOCK CAR, F1, INDY E F-E