carregando
F1

Briatore suspeita que contraiu Covid-19 e critica: “Todos subestimaram o vírus”

Aos 69 anos, Flavio Briatore acredita que contraiu o novo coronavírus em dezembro. “Tive febre muito alta, dor nos pulmões e dificuldades para respirar”, disse o italiano, que garantiu estar bem agora. O ex-dirigente criticou o posicionamento de vários políticos ao redor do mundo antes de a pandemia avançar: “Ninguém levou isso a sério”

Grande Prêmio / Redação GP, de Sumaré
COMO SE PREVENIR DO CORONAVÍRUS:
 
☞ Lave as mãos com água e sabão ou use álcool em gel.
☞ Cubra o nariz e boca ao espirrar ou tossir.
☞ Evite aglomerações se estiver doente.
☞ Mantenha os ambientes bem ventilados.
☞ Não compartilhe objetos pessoais.

Em uma das suas muitas viagens pelo mundo, Flavio Briatore suspeita que contraiu o novo coronavírus. O ex-chefe de equipe da Benetton e Renault acredita que foi infectado em dezembro, antes de a doença avançar de Wuhan, na China, para o mundo e deixar um trágico rastro. Somente na Itália, seu país natal e atual epicentro da pandemia do Covid-19, são 69.176 casos confirmados e 6.820 mortes de acordo com números atualizados pela universidade norte-americana Johns Hopkins. O empresário, que completa 70 anos no próximo dia 12 de abril, criticou a postura de vários políticos do planeta ao subestimarem o poder letal do coronavírus.
 
“Estive doente em dezembro. Tive febre muito alta, dor nos pulmões e dificuldades para respirar. Fiquei assim por dez dias. Com meu médico, não conseguimos entender o que acontecia. Fiz radiografias e uma tomografia, e deu para ver uma sombra nos pulmões. Depois que o vírus eclodiu na Itália, meu médico me disse que, com certeza, tive coronavírus. Felizmente, já passou”, relatou Flavio em entrevista ao programa ‘L’Aria che tira’, da emissora LA7.
Flavio Briatore suspeita que contraiu coronavírus em dezembro (Foto: Xavi Bonilla/Grande Prêmio)
A doença, que hoje está em praticamente todos os países, já registra 425 mil casos confirmados e quase 20 mil mortes, segue sendo tratada por muitos políticos como uma mera gripe. Briatore, testemunha da maior tragédia sanitária da história moderna italiana, criticou a forma como os líderes globais lidaram e ainda lidam com o novo coronavírus.
 
“Todos subestimaram o vírus. Ninguém o levou a sério. A OMS, em janeiro, já dizia a todos que se preparassem e ninguém o fez. Foi um erro por parte da política mundial”, disse o ex-chefe de equipe.
 
“Se eu fosse ministro e soubesse de uma enfermidade na China, em uma zona com a qual meu país tem muitas ligações, teria mandado alguém ou teria ido. Lembro que havia dois voos por dia entre Milão e Wuhan. Acho que nenhum ministro europeu esteve em Wuhan e ninguém se armou com máscaras e respiradores neste período. Isso te faz entender que somos governados por pessoas inadequadas”, disparou.
 
Por fim, Briatore lamentou pela situação trágica na Itália e cobrou a intervenção do estado para ajudar trabalhadores que não conseguem se sustentar em um período sem precedentes.
 
“Conheço trabalhadores autônomos que estão em casa e não têm dinheiro para alimentar seus filhos. Se você é autônomo, o que faz? Morre? Para essas pessoas, aqui, por telefone, o Estado deveria enviar imediatamente € 300 ou € 400 (R$ 1.650 ou R$ 2.208), não por decreto. Você não cria empregos com decretos”, finalizou Briatore, indignado.
Paddockast #53
TÉO JOSÉ - O HOMEM QUE 'NÃO PERDE MAIS'


Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.