DTM

Rast aproveita pit antes de safety-car e vence mais uma no DTM em Norisring

René Rast largou mal, mas deu sorte de o safety-car entrar na pista logo após um pit-stop. Bastou para o alemão tirar a liderança das mãos de Nico Müller, abrir 34s e vencer com facilidade. Pietro Fittipaldi abandonou após toque na largada

Grande Prêmio / VITOR FAZIO, de Berlim
René Rast quase conseguiu estragar tudo na largada da corrida 1 do DTM em Norisring, neste domingo (6). O alemão largou mal e desabou para o fim do grid. Mas uma estratégia certeira combinada com uma pilotagem de alto nível foi a fórmula para dar a volta por cima: parando antes de um safety-car nas primeiras voltas, René herdou a liderança e ficou com a faca e o queijo na mão para vencer mais uma.
 
Rast parou na volta 3, apostando em um stint enorme após a parada obrigatória. Com o safety-car sendo acionado no mesmo giro e reaproximando todo mundo, quem não havia visitado os pits sofreu um duro golpe. Mas seria injusto colocar tudo na conta da sorte: na altura da bandeira quadriculada, o piloto da Audi tinha 34s de vantagem.
 
O segundo lugar coube a Nico Müller, justamente quem havia largado na pole e aparentava ter ritmo para vencer em condições normais. O suíço passou Joel Eriksson na última curva, o que fez o sueco acabar em terceiro.
René Rast (Foto: DTM)
Loïc Duval apareceu em quarto, com Bruno Spengler em quinto. Daniel Juncadella conseguiu o melhor resultado da estreante Aston Martin no dia, em sexto. Philipp Eng, Marco Wittmann, Jake Dennis e Ferdinand Habsburg fecharam a zona de pontos.
 
O dia foi difícil para Pietro Fittipaldi. O brasileiro não conseguiu nem sequer terminar a primeira volta, sendo vítima de toque na largada. Pietro foi tocado por Paul di Resta, o que acabou com a prova no ato. 

Saiba como foi a corrida 1 do DTM em Norisring
 
Nico Müller fez a largada que precisava para manter a liderança, conquistada através da pole-position. Bruno Spengler e Philipp Eng apareciam logo atrás. René Rast, por sua vez, teve uma largada horrenda e caiu direto para as últimas posições.
 
No fim do pelotão, problemas imediatos para Pietro Fittipaldi. O brasileiro tentou ganhar posições por dentro na saída do hairpin, mas acabou vítima de um efeito cascata. Ferdinand Habsburg deu um totó em Paul di Resta, que por sua vez acabou batendo com mais força no carro do brasileiro. Pietro abandonou no ato, estacionando em posição perigosa e forçando a entrada do safety-car.
 
A intervenção do carro de segurança jogou a favor daqueles que apostaram na parada obrigatório ainda nas primeiras voltas. Quem capitaneava esse grupo era o próprio Rast, décimo. Outros sete vinham atrás, com Juncadella e Frijns também em posições de destaque.
 
A relargada de Müller foi ainda melhor do que a largada. Spengler deu uma cochilada, permitindo que Eng subisse para terceiro. Green seguia em quarto, mas com Glock em quinto – só que não por muito tempo. O ex-F1 se enroscou com Van der Linde, rodou e precisou abandonar também. O sul-africano seguiu na prova. Nada de safety-car dessa vez.
Nico Müller (Foto: Audi)
Conforme o ciclo de pits rodava, ficava clara a grande vantagem de quem parou antes do safety-car. Rast já era quinto, 5s atrás de Müller.
 
Eng, enquanto isso, deixava claro que não tinha ritmo para preocupar Müller. O austríaco logo virou presa tanto para Spengler quanto para Green. Para parar de despencar, o piloto da BMW veio aos boxes, voltando em 14º. Como o traçado de Norisring é curto, Philipp retornou à pista quase uma volta atrás.
 
A corrida se aproximava da metade com Müller e Spengler como os dois únicos sem parar. Rast subia para terceiro, por volta de 5s atrás. O canadense veio na volta 27, com o líder suíço vindo na 31. René virava líder, mas com o desafio de cuidar dos pneus até o fim da corrida.
 
Enquanto isso, drama para a Audi. Dois carros da marca alemã abandonaram quase ao mesmo tempo: primeiro foi Rockenfeller que ficou sem potência e se arrastou até os boxes, com Frijns encarando o mesmo destino uma volta depois.

A segunda metade da corrida, com todos já de pneus trocados, começou com Rast em boa situação. Eriksson e Wittmann deixavam a BMW nas outras posições de pódio. Mais atrás, a até aqui fraca Aston Martin colocava três carros entre quarto e sexto – Juncadella, Dennis e Habsburg. Müller, com ritmo forte, surgia em sétimo.

A corrida agora passava a ser uma briga de pneus velhos contra novos. Müller tinha ritmo melhor do que quase todos adiante, menos Rast. Apesar de precisar carregar pneus gastos até aqui, o alemão não dava a menor chance de ser alcançado.

Müller precisou reagir aos poucos. Os pilotos da Aston Martin foram ultrapassados pouco a pouco, exceção feita à tentativa de defesa de Juncadella. Mas o mais difícil de todos seria Eriksson: o sueco resistiu até o fim, dando pinta de que realmente seria segundo colocado. Não foi, e só por conta de uma ultrapassagem certeira de Müller na última curva.