DTM

FOTO: Morbidelli troca de lugar com Spengler e guia BMW do DTM em Assen

Franco Morbidelli aproveitou a quinta-feira (27) em Assen para guiar uma BMW do DTM. O piloto da SIC teve a orientação de Bruno Spengler antes de assumir o volante

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
Franco Morbidelli viveu uma experiência diferente nesta quinta-feira (27). O piloto da SIC teve a chance de guiar uma BMW do DTM no circuito de Assen às vésperas do início dos trabalhos da MotoGP.
 
Antes de assumir o volante, o #21 foi instruído por Bruno Spengler, da RMG, que o levou para um passeio no traçado holandês. Depois, os dois trocaram de posição e foi a vez do piloto do DTM encarar a aventura no banco do passageiro.
Franco Morbidelli trocou de lugar com Bruno Spengler em Assen (Foto: Divulgação/MotoGP)
“Tenho de dizer que foi impressionante”, disse Morbidelli. “Os carros são inacreditáveis. Sempre os vi na TV, mas nunca na vida achei que teria a chance de guiar um deles e, de fato, foi uma grande experiência. Estar no banco do passageiro é ainda mais assustador, foi uma situação assustadora para mim, mas aí quando passei para o lado do piloto, foi ótimo! O downforce, todos os detalhes e o nível que pode atingir é incrível. Obrigado Dorna e MotoGP”, seguiu.
 
O campeão de 2017 da Moto2 destacou que o downforce é a principal diferença para a MotoGP e admitiu que se assustou ao lado de Spengler. 
 
“A questão deste carro em comparação com a MotoGP é o downforce, então quanto mais rápido você é, mais preso ao chão você fica e mais rápido você vai, então é um circulo. Não estava habituado a isso, mas notei que Bruno usou o downforce muito melhor, claro. O que mais me impressionou foi o downforce”, apontou Franco. “Amei a maneira que ele fez a curva 6, é um outro mundo de carro. Você vai muito mais rápido do que em uma moto da MotoGP. Aposto que ele ainda tinha alguma margem, foi a segunda volta da vida dele aqui e já estava me impressionando. Foi a parte mais assustadora da pista”, ressaltou.
 
“Estou sempre fazendo coisas em quatro rodas, seja kart ou drift, não corridas de carro de verdade, e este é um carro de corrida de verdade, mas a experiência foi positiva. Eu gostei bastante, então quem sabe, quando estiver em casa, vou procurar alguma coisa!”, completou.
 
Spengler, por sua vez, se impressionou com a concentração de Morbidelli e admitiu que também ficou com medo na experiência como passageiro.
Franco Morbidelli guiou pela primeira vez um carro do DTM (Foto: Divulgação/MotoGP)
“Como passageiro, ele foi incrível, porque só me perguntou em que marcha eu estava e só. Ele estava muito focado tentando analisar tudo, e eu sei que o banco do passageiro é difícil, porque você não vê num carro do DTM. Quando trocamos, fiquei muito assustado. É muito mais impressionante no banco do passageiro do que quando você pilota”, contou Bruno. “Ele foi um ótimo aprendiz, teve só duas voltas e meia, mas, nessas duas voltas, ele melhorou curva após curva. Dei algumas dicas a ele, ele foi imediatamente capaz de se adaptar e aprendeu muito rápido. Ele estava tão focado e não apenas tentando o máximo que podia. Ele estava sentindo o carro, melhorando e foi legal estar ao lado dele. Então, quando quiser, cara!”, concluiu.

O GP da Holanda de MotoGP está marcado para o domingo, às 9h (de Brasília). O GRANDE PRÊMIO acompanha tudo AO VIVO.
 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.