Stock Car
06/05/2018 16:05

Di Grassi completa rodada dupla de Londrina com vitória. Barrichello vai ao pódio e Serra dispara no campeonato

Lucas Di Grassi mostra a cada corrida que não somente já se adaptou à Stock Car, mas que figura como um dos candidatos ao título. O piloto da Hero faturou sua segunda vitória na Stock Car neste domingo, em Londrina. Rubens Barrichello e Daniel Serra completaram o pódio
Warm Up, de Londrina / FERNANDO SILVA, de Londrina
 O pódio da corrida 2 em Londrina (Foto: Fernanda Freixosa/Vicar)

Brilhou novamente a estrela de Lucas Di Grassi na Stock Car. Na base da performance, da estratégia e também da sorte, o piloto da Hero correu em Londrina uma semana depois de acelerar pela Fórmula E em Paris e venceu pela segunda vez na principal categoria do automobilismo brasileiro. Di Grassi esteve sempre entre os primeiros colocados após ter largado em oitavo, cresceu ao longo da prova e acabou sendo também beneficiado pela punição imposta a Átila Abreu por conta de uma irregularidade no pit-stop enquanto o sorocabano da Shell Racing liderava. Lucas, que havia passado Thiago Camilo nas voltas finais, partiu rumo à vitória, marcando um grande ano de estreia na Stock Car.

Di Grassi terminou logo à frente de Rubens Barrichello, na esteira de uma jornada de muitos pontos em Londrina. E Daniel Serra foi ao pódio pela segunda vez no fim de semana em Londrina para terminar em terceiro, enquanto Thiago Camilo, que chegou a flertar com a vitória, foi o quarto, e Diego Nunes, com uma performance muito boa na corrida 2, completou a lista dos cinco primeiros. Max Wilson, vencedor da corrida 1, fechou em sexto, à frente de Cacá Bueno e Sergio Jimenez, no seu melhor resultado pela Squadra G-Force. Tuka Rocha e Allam Khodair, que só contou com o Hero Push entre os botões de utrapassagem, fecharam o top-10.

Agora, a grande performance em Londrina faz com que a pontuação da temporada apresente Serra mais líder ainda, com 116 pontos, contra 80 de Cacá. Fraga segue em terceiro, com 76, quatro a mais em relação a Barrichello. Max Wilson e Di Grassi têm 68, um a mais que Marcos Gomes. Julio Campos, com 66, Ricardo Zonta, com 52, e Gabriel Casagrande, com 48, também integram o top-10 da tabela.

A próxima rodada dupla da Stock Car acontece em duas semanas, quando a categoria viaja ao interior do Rio Grande do Sul para correr em Santa Cruz do Sul entre 18 e 20 de maio, com participação de Lucas Di Grassi e Nelsinho Piquet, que um dia antes da rodada dupla vão correr o eP de Berlim da Fórmula E. O GRANDE PRÊMIO cobre 'in loco'. Acompanhe tudo aqui.
Lucas Di Grassi festeja sua segunda vitória no ano de estreia na Stock Car (Foto: Duda Bairros/Vicar/Vipcomm)
Saiba como foi a corrida 2 da etapa de Londrina da Stock Car

Minutos antes da largada em Londrina, que teve Thiago Camilo na pole-position pela regra do grid invertido, a Stock Car anunciou os vencedores do Hero Push, o botão de ultrapassagem extra escolhido em votação com os fãs da Stock Car. E foi justamente Camilo o mais votado, com 8,9%. Allam Khodair também ganhou um push-to-pass e, mesmo com uma punição por um acionamento irregular do seu convidado Allan Hellmeister ainda na Corrida de Duplas, o piloto da Blau ficou sem nenhum botão de ultrapassagem, mas pode usar o prêmio dado pelos fãs. Antonio Pizzonia e Julio Campos, da Prati Donaduzzi, Ricardo Zonta, da Shell Racing, e Lucas Foresti, da Cimed, completaram o rol dos vencedores.

Antes da largada, contudo, dois pilotos enfrentaram problemas e ficaram parados no grid: Felipe Lapenna e Ricardo Zonta, que venceu em Londrina a corrida 2 no ano passado. Um grande prejuízo para quem tinha chances de pontuar e se manter entre os primeiros no campeonato. O experiente piloto da Shell Racing conseguiu ligar o motor, mas foi para o fundo do grid para largar em último.

Na reta oposta, Camilo puxou a fila e conseguiu manter a dianteira após largar na pole, mas a pressão era muito forte, principalmente de Cacá Bueno. Julio Campos, Lucas Di Grassi, Felipe Fraga e Átila Abreu vinham logo atrás, mas uma volta depois Átila passou o campeão de 2016. Mais atrás, Valdeno Brito, dono da casa em Londrina, ficava para trásapós toque sofrido por Antonio Pizzonia. 
Thiago Camilo na frente seguido por Cacá Bueno em Londrina (Foto: Fernanda Freixosa/Vicar/Vipcomm)
Julio seguia em ótima posição, um pouco como foi no Velopark há duas semanas, quando foi top-3 nas duas corridas. O paranaense mantinha belo ritmo de corrida e conseguia abrir vantagem perante Felipe Fraga. Outro piloto que andava muito em Londrina era Daniel Serra, que aparecia em sétimo lugar e tinha Átila Abreu logo à frente, enquanto Rubens Barrichello caía para nono. E Lucas Foresti rodava sozinho e queixava-se da presença de óleo na pista.

Campos era valente, mas tinha contra si um problema no pneu que prejudicou sua performance no início da corrida. Assim, acabou sendo presa fácil para Fraga e, depois, Di Grassi realizarem as ultrapassagens. Julio caía para sexto depois de ter sido superado, voltas depois, por Átila Abreu.

A largada ficou sob investigação dos comissários por suspeita de Fraga ter queimado. A ocorrência passou a ser analisada pela direção de prova, colocando um possível pódio do piloto da Cimed em xeque. Enquanto isso, Max voltava a fazer grande corrida. Com um carro muito equilibrado, o vencedor da corrida 1 subia para sexto depois de passar Julio Campos, deixando o #4 na alça de mira de Daniel Serra. Lá na frente, Thiago Camilo seguia líder e não era incomodado por Cacá Bueno, segundo colocado.
Julio Campos flertou com o pódio, mas enfrentou problemas no pneu traseiro e perdeu posições (Foto: Fernanda Freixosa/Vicar/Vipcomm)
No fim das contas, Fraga foi mesmo punido com um drive-through por ter queimado a largada. Assim, Di Grassi assumiria o terceiro lugar, com Átila Abreu logo atrás e Max Wilson em quinto. Enquanto o piloto da RC Eurofarma sobrava, Marcos Gomes, em décimo, tinha muita dificuldade para segurar um pelotão com mais de dez carros.

Com 14 voltas, o safety-car entrou em ação em Londrina. Pizzonia acertou de Denis Navarro, que estava à frente. O piloto da Cavaleiro rodou e bateu na barreira de pneus, o que justificou o acionamento da bandeira amarela. Pelo acidente, Pizzonia foi considerado culpado pela direção de prova e foi excluído por atitude antidesportiva.
Acidente entre Denis Navarro e Antonio Pizzonia na corrida 2 em Londrina (Foto: Fernanda Freixosa/Vicar)
Duas voltas depois, a bandeira verde voltou a tremular, e Cacá Bueno aumentou a pressão pra cima de Camilo. Ao mesmo tempo, vários pilotos entraram nos boxes aproveitando a abertura da janela de pit-stops. Líder da corrida, Camilo puxou a fila, fez bem sua parada e voltou à frente. O prejuízo maior ficou com Cacá, que perdeu muitas posições, enquanto Di Grassi foi o maior beneficiado.

Barrichello também levava vantagem ao passar Max Wilson na entrada dos boxes, ao mesmo tempo em que Nelsinho Piquet tocava no carro de César Ramos, que deixava a corrida. Na ponta, Átila aproveitou a pista livre para acelerar e tentar ganhar vantagem antes de fazer sua parada. A estratégia deu muito certo, já que o sorocabano voltou à frente de Camilo e Di Grassi, tomando a liderança da corrida.
Átila Abreu perdeu a grande chance de renascer no campeonato no pit-stop (Foto: Reprodução)
Entretanto, a grande chance de Átila renascer no campeonato foi perdida após uma irregularidade no pit-stop, pelo carro ter sido levantado com o galão de combustível conectado. O sorocabano teve de cumprir um drive-through, abrindo a chance para nova vitória de Lucas Di Grassi, que havia passado Camilo com a ajuda do botão de ultrapassagem.

Di Grassi conseguiu abrir boa vantagem para Camilo, que passava a ser pressionado por Barrichello, sendo ultrapassado com a ajuda do botão de ultrapassagem. Rubens passou a ser um candidato real à vitória ao ameaçar Lucas nos minutos finais. Mais atrás, no pelotão intermediário, Marcos Gomes e Nelsinho Piquet se enroscavam, com o piloto da Cimed levando a pior.
Lucas Di Grassi cruza a linha de chegada logo à frente de Rubens Barrichello (Foto: Fernanda Freixosa/Vicar)
Ao fim de 32 voltas, Di Grassi confirmou a segunda vitória na temporada, um grande feito para um estreante na Stock Car. O piloto da Hero segurou Barrichello nos metros finais e triunfou em Londrina, enquanto Serra, em ótima posição no campeonato, faturou mais um pódio no fim de semana, ficando novamente em terceiro.

Thiago Camilo bem que tentou, mas a sonhada vitória não veio. Ainda assim, marcou seu melhor resultado na temporada, assim como Diego Nunes em quinto lugar, marcando uma bela reação do paulista após ter largado em 18º. Max Wilson, em grande fim de semana, terminou em sexto, seguido por Cacá Bueno e Sergio Jimenez, no melhor resultado da Squadra G-Force. Tuka Rocha e Allam Khodair completaram o rol dos dez primeiros colocados.


QUEM É MAIS CULPADO?

PADDOCK GP DISCUTE BATIDA DE RICCIARDO E VERSTAPPEN EM BAKU