Stock Car
17/04/2018 10:15

Barrichello revela retirada de tumor após Corrida de Duplas. E ainda brinca: “Não quero incômodo no carro”

Rubens Barrichello vem dizendo, desde a suspeita de AVC que sofreu no começo de 2018, que aproveita cada segundo da vida. Mas a história de superação não estava completa: o piloto revelou, em entrevista no programa 'Conversa com Bial', que também teve que retirar um tumor, benigno, do pescoço
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Rubens Barrichello mostra cicatriz em seu pescoço (Foto: Reprodução/TV Globo)


A suspeita de AVC pela qual Rubens Barrichello passou no começo de 2018 tem emocionado o piloto. Sempre que questionado sobre, Barrichello diz que está aproveitando ao máximo cada detalhe da vida, nesta 'nova chance' que ganhou - como quando fez a pole da etapa de Curitiba da Stock Car, por exemplo, e falou em poder "acordar e agradecer".

Mas a história completa do caso ainda não havia sido contada ao público. Em entrevista ao 'Conversa com Bial', programa da 'TV Globo', Barrichello revelou que, além da suspeita de AVC, também passou por cirurgia para retirada de um tumor em seu pescoço neste ano.

O piloto contou que o tumor, benigno, foi descoberto em exames feitos após a Corrida de Duplas em Interlagos, no começo de março, abertura da temporada da Stock Car.

"Depois de todo o acontecido, eu fui fazer um monte de exames para saber. Minha familia queria saber como eu estava. Fui fazer um exame e acharam um tumorzinho aqui [apontou para o pescoço]. Abriu e tirou", contou, enquanto mostrava a cicatriz no local.

"Eu tirei rapidinho porque, é benigno, mas precisava-se tirar porque ele cresce", seguiu. E ainda brincou com a situação: "Como eu não quero incômodo no meu carro..."
Rubens Barrichello mostra cicatriz em seu pescoço (Foto: Reprodução/TV Globo)
Barrichello também deu mais detalhes de como descobriu que passava por uma suspeita de AVC: "Era um dia em que eu acordei cedinho, ia levar meu filho Eduardo para assistir as 24 Horas de Daytona. Acordei cedinho, estava tomando um banho, saí do banho e, de repente,a dor que eu senti na cabeça foi algo assim... A gente fala, de zero a 10, eu menciono bastante isso para o pessoal entender. De zero a 10, se você tem dor de cabeça, é aquela dorzinha, um, de repente, se o cara tem um 'migrane' (enxaqueca) mesmo, ele tem dois..."

"Mas a dor era para quebrar mesmo. Era um oito ou nove", completou.

Rubens, então, percebeu que havia algo errado e deitou no chão, evitando acordar a família. Acabou desistindo dessa situação e foi ao médico após começar a passar mal. E descobriu outra situação; uma veia havia estourado e, no caminho para o médico, acabou se regenerando.

"Com o próprio sangue, em duas horas e meia", contou. E, assim como fez ao GRANDE PRÊMIO, contou que ouviu dos médicos que apenas 14% das pessoas que passam por isso saem, como ele, vivas e sem sequelas.
Rubens Barrichello em Curitiba (Foto: Duda Bairros/Vicar/Vipcomm)
Barrichello citou com carinho a Corrida de Duplas, lembrando que ela ocorreu pouco mais de um mês após o episódio. Na ocasião, falou com exclusividade ao GRANDE PRÊMIO sobre o caso, emocionado, e ouviu de Filipe Albuquerque, seu parceiro na segunda colocação da prova, que tem "sete vidas" e o "privilégio de levá-las na pista".

Ele ainda contou o quão "grandioso" foi poder correr em Interlagos e o medo que teve em não participar da etapa. "Eu voltei do hospital mais rápido, mais forte e mais choroso, pode ter certeza absoluta", disse então.