F1
12/07/2018 06:28

Ricciardo torce para que decisão da Red Bull de deixar Renault “não seja baseada em emoções”

Daniel Ricciardo ainda não sabe ao certo se o motor da Honda, nova parceira da Red Bull, representa uma evolução. Enquanto isso, o australiano só torce para que a troca não seja a resposta aos problemas de relacionamento com a Renault
Warm Up / Redação GP,  de Porto Alegre
 Daniel Ricciardo (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)

Daniel Ricciardo ainda não está convencido se trocar a Renault pela Honda, decisão recente da Red Bull para 2019, vai ser o melhor caminho. O australiano ainda não usou o motor japonês e precisa confiar nas palavras da cúpula da equipe de Milton Keynes. Enquanto a chance de aprovar – ou não – a novidade não chega, Ricciardo só torce por uma coisa: que a decisão de tomar um rumo “não seja baseada em emoções”
 
“Acho que enquanto eu não pilotar um carro com motor Honda não vou saber [se foi a decisão certa]”, disse Ricciardo. “Óbvio que eu ouvi a equipe mais de uma vez e eles me deram os motivos. O importante para mim é o motivo para isso. Não pode ser baseado em emoções. Como ‘deu problema com a Renault, mas tanto faz, estamos fazendo isso só porque queremos mudar’”, opinou.
 
“É óbvio que eles estão fazendo o dever de cabeça e acreditam que é algo bom, não só uma questão de emoção. Eles fizeram de tudo para me encorajar e fazer isso acontecer”, seguiu.
Daniel Ricciardo acompanha a troca da Renault pela Honda (Foto: AP)

Red Bull e Renault, apesar de formarem uma parceria dominante entre 2010 e 2013, tiveram problemas desde 2014. Com a introdução dos motores turbos, a marca francesa teve problemas para acompanhar o desenvolvimento de Mercedes e Ferrari. A falta de potência passou a ser vista como ponto fraco dos carros da equipe dos energéticos – apesar de que a Honda, nova aliada, é uma interrogação após três anos frustrantes com a McLaren.
 
“A realidade é que essa é a hora para mudança”, ponderou Christian Horner, chefe da Red Bull. “Estamos fazendo a mesma coisa ano após anos, enquanto vemos progresso real na Honda, e simplesmente parece ser a hora certa para tomar uma rota diferente”, encerrou.