F1
16/09/2013 09:48

Räikkönen exigiu pedido de desculpas de Montezemolo para fechar com Ferrari, diz emissora

Dispensado da Ferrari em 2009, Kimi Räikkönen exigiu um pedido de desculpas de Luca di Montezemolo para continuar com as negociações com a equipe italiana para 2014. A informação é da emissora finlandesa MTV3 Tulosruutu
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Räikkönen acertou na estratégia de pit-stops e terminou em segundo (Foto: Getty Images)

O retorno de Kimi Räikkönen à Ferrari acabou se tornando a maior contratação do ano na F1, depois de uma ‘silly season’ das mais agitadas dos últimos anos. O finlandês de 33 anos vai, a partir de 2014, assumir o lugar de Felipe Massa no cockpit ferrarista, formando dupla com Fernando Alonso. É a primeira em 60 anos que a equipe de Maranello terá dois campões sob o mesmo teto.

E, apesar de todas as especulações, as negociações entre Räikkönen e a Ferrari ainda reservaram um detalhe dos mais interessantes, revelado na última semana pela emissora finlandesa MTV3 Tulosruutu. Enquanto os italianos entendem que foi um grande erro ter dispensando Kimi em 2009, justamente para ceder espaço para Alonso, o canal nórdico informou que Räikkönen exigiu um pedido de desculpas por parte de Luca di Montezemolo, presidente da esquadra vermelha, por conta da demissão de quase quatro anos atrás. E teve o pedido atendido.
Kimi Räikkönen exigiu um pedido de desculpas para voltar a Maranello (Foto: Getty Images)

"Quando se trata de um pedido de desculpas, eu tenho de entender que o pedido foi uma exigência para a continuidade das negociações com a Ferrari. E foi feito pessoalmente por Montezemolo", disse Oskari Saari, comentarista de F1 da MTV3 Tulosruutu.

A má relação entre Kimi e o comandante da Ferrari poderia ter, ainda de acordo com a emissora, impedido o acordo. "Essas coisas estão seladas e colocadas do mesmo lado, justamente com todas as transgressões do passado por causa da contratação. Agora podem ir em frente", completou Saari.

Campeão em 2007, Räikkönen retorna à Ferrari depois de duas temporadas na Lotus. O novo vínculo com a equipe italiana é válido por dois anos.