F1

Laudo preliminar de autópsia indica que sequela de acidente em 2012 causou morte de María de Villota

Isabel de Villota, irmã da ex-pilota, encontrada morta em um quarto de hotel em Sevilha nesta sexta-feira (11), revelou à emissora espanhola Antena 3 que dano cerebral decorrente de acidente de María em teste com a Marussia provocou seu falecimento

Warm Up / Redação GP, de Guarulhos
 

Isabel de Villota, irmã de María de Villota, ex-pilota encontrada morta nesta sexta (11) em um quarto de hotel em Sevilla, na Espanha, confirmou que o laudo preliminar da autópsia indica que seu falecimento se deu em decorrência de sequelas cerebrais por conta do acidente sofrido por ela durante um teste com a Marussia, na base aérea de Duxford, no Reino Unido, em julho de 2012.
 
A espanhola se chocou contra a rampa de um caminhão da equipe e foi atingida com gravidade na cabeça, sofrendo várias fraturas no crânio e perdendo o olho direito. O dano no cérebro causou a ela a perda do paladar e do olfato. Sua longa recuperação, contudo, foi considerada um milagre pelos médicos e, desde então, María se tornou um exemplo de superação, passando a lutar por maior segurança nas pistas.
 
"Queridos amigos, venho lhes informar que o médico forense nos disse que a morte de María foi causada por sequelas e danos neurológicos do acidente que ela sofreu no ano passado", disse Isabel durante a tarde desta sexta-feira à emissora espanhola 'Antena 3'.
O rasgo no capcete de De Villota após acidente em julho de 2012 (Foto: Reprodução/Twitter)
 

"María será enterrada em um jazigo familiar em Madri, e desde já agradeço o apoio e o carinho demonstrados por todos vocês", completou a irmã da ex-pilota.
 
Em sua última entrevista, veiculada há três dias no canal Navarra TV, também da Espanha, María falou a respeito dos danos cerebrais. "Os médicos esperavam que eu não seria capaz nem de falar e nem de lembrar [do acidente]. Mas eu me recordo. Não sei por que... Creio que o destino quis que esse episódio não passasse esquecido. Tenho pesadelos, não posso evitar. Mas assim que me levanto, desconecto, o acidente passou."
 
José Ignacio Wert, Ministro dos Esportes da Espanha, concederá à De Villota a medalha de ouro póstuma da Ordem Real do Mérito Esportivo, como forma de homenageá-la.